Livro vai mostrar Lerner, o humanista da Rua Barão acatado pelo mundo

Pedro Ribeiro

jaime lerner, governador do paraná, prefeito de curitiba, morre, morte, morre jaime lerner, hemodiálise, infecção

Por Aroldo Murá

 

Um grupo de amigos e colaboradores do raro urbanista está dando os passos iniciais no projeto capitaneado por Jaime Lechinski. Valério Fabbris é um dos “consultores” mais ouvidos, e Mai Nascimento, uma peça vital do trabalho, vai trabalhando a realidade cultural que Lerner implantou..

Um grupo de jornalistas, arquitetos, urbanistas e intelectuais de todos os portes que conviveram muito de perto e atuando ao lado de Jaime Lerner, tem uma enorme tarefa pela frente: a de escrever um livro sem as “pegadas de um relatório, mas s fazendo, ao mesmo tempo, justiça à vida e obra do humanista que em 1970 colocou Curitiba nas manchetes mundiais”, conforme observa o coordenador do enorme projeto, o jornalista Jaime Lechinski.

Jaime Lechinski

Revista IdeiasUma farta documentação iconográfica, acredito, pode ser garantida por um dos que melhor acompanharam as pisadas de Lerner, o cinegrafista, fotógrafo e parceiro de Jaime em suas andanças no dia a dia, Carlos Deiró.

USINA DE IDEIAS

Lechinski, homem de comunicação de Lerner, e um dos seus mais próximos amigos, foi, ao longo dos anos, uma espécie de codificar do pensamento dessa usina de idéias que JL sintetizava.

Valério Fabbris

O que se pode adiantar, é que do grupo fazem parte, entre outros, a jornalista Mai Nascimento Mendonça, Lídia Dely, Paulinho Hayakawa, jornalista Valério Fabris, Ana Cláudia Pinto, arquiteta Valéria Bechara (sócia de JL no escritório da rua Bom Jesus).

Fui convidado e estou preparando minha parte, especialmente sobre o nascimento da Fundação Cultural de Curitiba, de cujo grupo inicial participei, como conselheiro da FFC. E tentarei fazer justiça uma das peças mais importantes na projeção nacional e mundial de Lerner, o jornalista Aramis Millarch, que o “lançou” na mídia, ainda nos anos 1960.

Maí Nascimento Mendonça

“ESTÁ ANDANDO”

Nesta quinta-feira, 23, Lechinski me responde, em breve mensagem, sobre o andamento da proposta do livro: – O livro vai andando. Muitas leituras. Semana que vem vou me internar no escritório do Jaime, para uma varredura no material de lá – entrevistas, reportagens internacionais, depoimentos de gente importante.

Arquiteta Valéria Bechara

Lechinski me pergunta – a mesma que tem feito a tantos que conheceram e envolveram com o espírito criativo de JL, “como você definiria o Jaime?”. Quem vai responder a essa pergunta, que poderá ser o título do livro? O próprio Lechinski observa que situar Jaime como um urbanista é pouco.

Carlos Deiró

É a opinião também de Valéria Bechara. Ela diz que Jaime seria o que foi se fosse dentista, professor ou artista. Eu acho que ele tinha a dimensão de um humanista, “um grrrande humanista” como dizia o professor Chameck , observa Lechinski. O Valério Fabris sugeriu o título “ Jaime Lerner , urbanista em escala humana.”

Previous ArticleNext Article
Pedro Ribeiro, jornalista editor-chefe do Paraná Portal
[post_explorer post_id="792283" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]