Lucia Camargo não está mais aqui com a gente

Pedro Ribeiro


Fabiano Camargo

Agitada, correndo de um lado para o outro, na Secretaria da Cultura, Fundação Cultural, Universidade Federal, Teatro Guaíra e nas dezenas de casas culturais de Curitiba. Esta era sua rotina diária. Sempre com sorriso no rosto e disposta a nos mostrar que a cultura é tudo. O Paraná a perdeu para São Paulo e agora nos deixa para sempre. Lúcia Camargo sacudirá o universo. Para falar sobre esta embaixadora paranaense da cultura, nada melhor que seu próprio filho, meu amigo jornalista Fabiano Camargo.

Que falta fará toda aquela energia, intensidade e inteligência! Que falta também fará aquele sorriso!

Deixa nossos corações despedaçados.

Mas ela deixa também uma lição de como viver. Temos absoluta certeza que Lucia viveu exatamente a vida que quis. Uma vida plena de realizações, amor, amizade, trabalho, viagens, arte e cultura. Uma vida, de fato.

Lucia foi muitas coisas. Entre tantas outras, foi jornalista, professora universitária, presidente da Fundação Cultural de Curitiba, secretária da cultura do estado do Paraná, curadora do Festival de Teatro, jurada do prêmio Shell, diretora do Teatro Municipal de São Paulo e do Palácio das Artes de Belo Horizonte, coordenadora de extensão cultural da SP Escola de Teatro.

Devo ter esquecido alguma coisa… Afinal, Lucia fez e aconteceu. Ou “pintou e bordou”, como dizia. Mas Lucia Camargo foi principalmente Lucia Camargo. Amiga, divertida, doce, realizadora, honesta, íntegra, fiel aos seus princípios e ideais, trabalhadora, inquieta, corajosa, apaixonante, pioneira, apoiadora, generosa.

Ela possuía tanta energia que tínhamos certeza absoluta que ela viveria pelo menos até uns 115 anos. Só que não foi assim. A vida negou esta alegria a todos nós. Foram só 76. Teve um acidente vascular cerebral no sábado, em São Paulo, onde morava e trabalhava. Foi indo aos pouquinhos e hoje nos deixou em definitivo.

Com certeza Lucia vai chegar no céu com muita disposição. Desejamos fôlego aos anjos que tiverem a difícil missão de acompanhá-la! Bom trabalho aí em cima, rapaziada! E tratem de arrumar algum espetáculo para ela assistir, pois a abstinência de palco nesta quarentena estava dura de aguentar, ela dizia.

A todos os incríveis amigos que nos ligaram, mandaram mensagens e muito carinho neste momento tão difícil, nosso agradecimento eterno! Nos sentimos amparados por todos vocês e ela certamente também se sente.

Mãe, obrigado por tudo! Apesar de destroçados pela dor e já com muita saudade, estamos tentando passar por isso como você nos ensinou. Beijos do Fabiano, Adriana e Guilherme.

Fabiano Camargo é jornalista

Previous ArticleNext Article
Pedro Ribeiro
Pedro Ribeiro, jornalista editor-chefe do Paraná Portal