Malucelli vota em Bolsonaro e defende ações pesadas contra crime organizado que espalha terror no Estado e no País

Pedro Ribeiro

 

Após experiência política da qual disse ter sido gratificante e honrosa, o coronel Sergio Malucelli, candidato a vice na chapa da governadora Cida Borghetti, retoma suas atividades como presidente da Federação das Empresas de Transporte de Cargas do Paraná-Fetranspar. “Perdemos a eleição, mas jamais deixaremos de exercer nosso direito de cidadão e lutar pelo bem do Paraná e do Brasil. Por isso, votarei em Jair Bolsonaro, por entender que há sentimento e expectativa de mudança por parte dos paranaenses e brasileiros e não podemos mais conviver com a corrupção que se espalhou como praga daninha pelo PT”, disse Malucelli.

Em relação à sua experiência como candidato, disse que viajou por todo o Estado e pode ver as principais demandas dos municípios e dos cidadãos. “Há muita coisa a se fazer em nosso Estado, onde as estradas, por onde passam nossas riquezas e nossas famílias, precisam ser urgentemente melhoradas para evitar mortes e prejuízos no transporte de cargas”.

“Temos muitos problemas, principalmente na área de segurança pública, mas acreditamos que o novo governador, Ratinho Junior, terá sensibilidade para promover ações que venham coibir a onda de violência, principalmente tráfico de drogas, armamentos e roubos, agora também com bastante intensidade no campo”, disse Malucelli. Sobre o transporte de cargas, revelou que o Paraná já representa 3% desse crime, que ultrapassa a R$ 11 milhões em prejuízos ao setor. No Rio de Janeiro, segundo ele, os marginais cobram pedágio para carga e descarga de produtos em determinados morros da cidade.


Malucelli também criticou o modelo de pedágio no Paraná, dizendo que é preciso fazer nova licitação, onde as tarifas tenham preços justos e que as estradas passem por obras e duplicação. “O atual sistema é perverso, porque o preço é caro e não existem obras para deixar as rodovias em condições de trafegabilidade”. Para ele, a infraestrutura rodoviária do Paraná é ruím e precisa ser melhorada.

No retorno às atividades na Fetranspar, Malucelli anunciou investimentos de R$ 110 milhões em unidades do Sest Senat que estão sendo construídas em municípios estratégicos no Estado. Além da unidade litoral, as cidades de Toledo e Cascavel, na região Oeste, e Umuarama, no Noroeste, foram contempladas com aquisição de terrenos próprios para as unidades operacionais. Há obras ainda também em fase de finalização em Santo Antonio da Platina.

A qualificação e a prevenção dos profissionais do transporte são dois pilares bases da atual gestão, disse Malucelli. “Precisamos capacitar o corpo técnico e operacional para que as empresas se tornem mais competitivas, o que sem dúvida irá refletir na qualidade do serviço prestado, bem como na redução do número de acidentes que envolvam transportadores de cargas e de pessoas”, avalia Malucelli, que tem como meta o aumento em 20% no número de profissionais qualificados no mercado.

Hoje o sistema Sest Senat em todo o Paraná atua com 485 profissionais que atendem as demandas de funcionários e familiares de 22 mil empresas que aturam no setor de transporte. “Nos próximos três anos, nosso corpo funcional chegará a 800 com a inauguração das unidades, e teremos um serviço ainda mais ágil e eficiente”, conclui Malucelli.

Post anteriorPróximo post
Pedro Ribeiro
Pedro Ribeiro é jornalista com passagens pela Gazeta do Povo, Folha de Londrina e O Estado do Paraná. Foi pioneiro com a criação do jornal eletrônico Documento Reservado e editor da revista Documento Reservado. Escreveu três livros e atuou em várias assessorias, no governo e na iniciativa privada, e hoje é editor de política do Paraná Portal.
Comentários de Facebook