Manobras para levar Osmar Dias ao Palácio Iguaçu

Pedro Ribeiro


 

Grupo da “inteligência” política do Paraná com plantão diário na Assembleia Legislativa e pitacos no Palácio Iguaçu, força a candidatura do ex-senador Osmar Dias (PDT) ao Governo do Estado. Aposta, agora, em sua filiação no PSB. Liderados pelos deputados Luiz Cláudio Romanelli e Alexandre Curi, o grupo, que também tem encontros em casa de jornalistas chamados da antiga, joga todas as fichas em Osmar Dias, contando com apoio explícito do governador Beto Richa (PSDB) pois, afinal, são porta-vozes do Palácio Iguaçu.

No contraponto da “inteligência”, há quem sustente que tudo não passa de uma manobra maquiavélica, justamente para tirar Osmar Dias do páreo de Senador e deixar o campo aberto para Beto Richa. O ex-senador, que tem um currículo invejável do ponto de vista da defesa dos interesses do Estado também sabe que não deve jogar seu nome no limbo a estas alturas do campeonato, onde ainda há resquícios de vozes nas ruas protestando contra o que o PT de Lula e Dilma fizeram ao país. Neste caso, todos ainda devem lembrar da participação de Dias, através do seu partido, o PDT.

Em relação a essas manobras onde, certamente o governador Beto Richa tem conhecimento, o senador e irmão, Alvaro Dias (PV), se mantém silencioso. Mas, como todos também sabem, Alvaro não reza na mesma cartilha de Richa e Valdir Rossoni, o que dificilmente o levaria a apoiar o irmão em uma possível candidatura ao Governo do Estado, com apoio de Richa. Hoje, Alvaro Dias está mais preocupado em viabilizar sua candidatura à Presidência da República, inclusive trocando de partido, já que o PV não sustenta suas pretensões.

Beto Richa, como também é de conhecimento geral, teria – ou tem – um acordo com a vice-governadora Cida Borghetti e com seu marido, o ministro Ricardo Barros (PP), em troca de apoio ao Senado. Quando Romanelli e Curi passam a desenhar tais manobras, se esquecem de que Ratinho Júnior (PSD), secretário de Desenvolvimento Urbano do governo, também é candidato ao governo e seu partido mantém base de apoio a Richa na Assembleia Legislativa.

Nessa salada confusa, o que observamos é, ainda, um certo apego dos dois comandantes do grupo ao patrão e líder eterno, Roberto Requião. Se tudo isso virar em tiro no pé, quem sairá fortalecido será o senador Requião.pedro.ribeiro

Previous ArticleNext Article
Pedro Ribeiro, jornalista editor-chefe do Paraná Portal
[post_explorer post_id="487863" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]