Maringá resgata projeto de Niemayer e terá cartão postal cultural

Pedro Ribeiro

projeto ágora, maringá, ulisses maia, ricardo barros, oscar niemeyer

Ulisses Maia e Ricardo Barros se unem para edificar o projeto Ágora, desenhado pelo arquiteto Oscar Niemayer.

Quando Ulisses Maia disse que reiniciaria sua gestão com o compromisso de desenhar uma Maringá mais humana, pautado na melhoria dos serviços públicos, certamente havia pensado na necessidade de mapear e estudar a cidade sob a ótica da cultura e do conhecimento.

Maia inicia seu segundo mandato resgatando o projeto Ágora, do mestre Oscar Niemayer, que transformará Maringá em pólo cultural e de conhecimento do país, elevando o debate democrático. O conjunto arquitetônico será edificado junto ao Terminal Urbano, ou seja, no coração da população.

Maringá não tem dono, não é de Ulisses Maia. A cidade é constituída por cidadãos compromissados com a ética, a verdade e honestidade de propósito. Maringá é dos maringaenses, como defende o próprio prefeito. Sem amarras ideológicas, a cidade respira liberdade.

Foto: Rodolfo Buhrer | La Imagem

“O Ágora significa a retomada de um projeto histórico. O Centro de Eventos foi desenhado e pensado pelo próprio Oscar Niemeyer. Tenho orgulho de ter trabalho nesse processo ainda na Urbamar, depois como prefeito e agora ao conseguir os recursos do Governo Federal. Maringá ganhará um novo cartão postal e os maringaenses um lindo espaço para estimular a criatividade”, pontua, com orgulho, o ex-prefeito e hoje deputado federal, Ricardo Barros.

“O Centro de Eventos Oscar Niemeyer será um marco no Centro de Maringá. Um espaço único de Cultura que estimulará, em especial, as crianças e os jovens. A cidade e seus cidadãos crescem com um local para realização de eventos, de shows, peças e apresentações”, fala, com entusiasmo, a ex-governadora Cida Borghetti.

Maia disse ao Paraná Portal que Maringá “nasceu e cresceu com um projeto urbanístico. O trabalho e esforço de pessoas compromissadas com o desenvolvimento permitiram chegarmos onde estamos hoje, com uma cidade que é referência em urbanismo e qualidade de vida. Não diferente, os avanços urbano, econômico e social são guias para projetos e realizações da nossa administração.”.

A retomada do Ágora, de Oscar Niemeyer, para a construção do novo Centro Cultural de Maringá “simboliza nossa visão de cidade, aquela que democratiza os espaços públicos, valoriza o patrimônio histórico e inova. E é isso que nossa gestão tem feito ao devolver Maringá ao maringaense”, observou o prefeito.

A partir desta construção, com suas referidas instalações culturais, Maia acredita que Maringá será lembrada, além dos diversos indicadores que nos colocam como líderes em qualidade de vida e transparência, também como a cidade que tem uma obra arquitetônica de Oscar Niemeyer.

Ulisses Maia se une a Ricardo Barros para executar projeto Ágora (Divulgação)

O Ágora projetou um novo centro, que hoje está bem diferente dos anos 80. O quadrilátero da maquete foi quase todo ocupado pelo novo Terminal Urbano inaugurado em 2020 (um novo cartão postal) edifícios empresariais e residenciais.

“O que planejamos agora é construir o centro na área em que hoje é usada como estacionamento. O local estratégico e a ampliação do uso do espaço como Centro Cultural reforçarão a democratização da cultura na nossa cidade”, disse o prefeito.

Ele lembra que o processo de atualização do anteprojeto do prédio do Ágora será liderado pelo Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Maringá, o Ipplan, ao lado da Secretaria de Obras Públicas, que será responsável pela execução.

Segundo o prefeito, a “Secretaria Municipal de Cultura integra este time para que, coletivamente, seja definido o melhor uso deste aparelho cultural, que tem grande potencial para se tornar uma referência nacional pela arquitetura e atividades que serão realizadas”.

O apoio de governantes com este projeto reforça como Maringá é uma cidade diferenciada. O município conseguiu financiamento de R$ 25 milhões para iniciar os projetos, viabilizados pelo deputado federal Ricardo Barros.

“O trabalho segue para que até o fim deste ano tenhamos os projetos prontos e, enfim, possamos licitar a obra”, disse Maia.

O projeto “Ágora“, arquitetado por Oscar Niemeyer na década de 80, para construir o novo Centro Cultural de Maringá, ao lado do Terminal Urbano terá 7 mil m² e obra construída. Ocupa o quadrilátero das avenidas Herval, Duque de Caxias, João Paulino Vieira Filho e Joubert de Carvalho.

Os recursos, de R$ 25 milhões, para a edificação do projeto, viabilizados pelo deputado federal Ricardo Barros vai alavancar o início do trabalho da grandiosa obra.

O Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Maringá (Ipplan), a Secretaria de Obras Públicas (Semop) e a Secretaria de Cultura (Semuc) já trabalham para viabilizar o projeto arquitetônico. Legalmente este processo deve ser realizado pelo Instituto Social Oscar Niemeyer de Projetos e Pesquisa. A partir daí, o município irá elaborar os projetos básicos e executivos.

O Centro Cultural de Maringá será a 2ª obra arquitetônica de Oscar Niemeyer no Paraná. A única até então é o Museu Oscar Niemeyer (MON), em Curitiba. O espaço será um centro de referência da arquitetura e arte.

Previous ArticleNext Article
Pedro Ribeiro, jornalista editor-chefe do Paraná Portal
[post_explorer post_id="738171" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]