Mazoni, aquele da Celepar, investigado pela Lava Jato. Pau mandado de Zé Dirceu

Pedro Ribeiro


Marcos Mazoni, aquele que desembarcou na Celepar e foi considerado um dos principais responsáveis pela adoção de software livre na empresa e no Governo do Estado do Paran e recentemente demitido do Serpro pelo presidente Michel Temer, vai ter que sentar no banco dos réus da Lava Jato. A Operação de combate à corrupção investiga se Mazoni teve papel no esquema de corrupção que beneficiou o ex-ministro José Dirceu em contratos milionários de tecnologia para dois ministérios e a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), em 2014 e 2015, inclusive para as Olimpíadas. É que nada se decidia na área sem o parecer de Mazoni. O detalhe assombroso é que o esquema de corrupção funcionou quando José Dirceu já estava preso por ordem do juiz Sérgio Moro. Marcos Mazoni foi um dos petistas mais raivosos com o impeachment. Chamou o governo interino até de “canalha”, até ser demitido. (Cláudio Humberto).pedro.ribeiro

Previous ArticleNext Article
Pedro Ribeiro, jornalista editor-chefe do Paraná Portal
[post_explorer post_id="487723" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]