Não bastam apenas propostas. Oposição quer o debate em Curitiba

Pedro Ribeiro


Como era esperado, o prefeito Rafael Greca, não foi para a boca da leoa que se exibe na rotatória em frente à Prefeitura de Curitiba. Não quis atravessar a Praça Nossa Senhora da Salete para debater com a oposição.

A praça traz recordações tristes se lembrarmos do dia 15 de abril de 2015 onde, literalmente, o local virou uma praça de guerra com professores de um lado, deputados e policiais do outro. Francischini , hoje candidato à Prefeitura de Curitiba, estava lá.

Debater o que? perguntaria a seus assessores o bonachão que afirma já ter feito tudo em Curitiba, por Curitiba e pela sua gente. Só faltam alguns reparos…E assim a oposição tem mais 15 dias para chamar Greca para a briga e certamente terá um não como resposta.

Greca só atravessará a praça Nossa Senhora da Salete com destino ao terceiro andar do Palácio Iguaçu e como governador do Estado. É seu desejo, sua meta.

Enquanto Greca se recusa a debater com oito ou dez adversários, os candidatos vão divulgando suas propostas através dos espaços gratuitos na televisão e no rádio.

Polícia Inteligente

Francischini afirma que vai criar Centro de Inteligência integrado com polícias estaduais e federais. Como sabem, ele é delegado federal e tem bom trânsito junto à área de segurança. De acordo com sua proposta, a unidade ficará responsável por coordenar todas as forças policiais da cidade. Ele aposta em ações efetivas para trazer segurança ao dia a dia do curitibano.

O candidato do MDB, João Arruda tem manifestado preocupações com a área social e defende a ampliação de políticas públicas voltadas para a população moradora de rua. “São 2.600 moradores de rua em Curitiba e apenas uma estrutura de acolhimento para mil moradores. É preciso criar essa estrutura de acolhimento rapidamente”, disse João durante sabatina da UPE (União Paranaense dos Estudantes).

Além de acolhimento é necessário também, segundo João Arruda, uma política de capacitação para que os moradores de rua tenham emprego e renda. “Eu quero oferecer um banho quente, uma cama limpa, uma comida saudável para essas pessoas, um atendimento psicológico, é preciso de assistência social e de oportunidades também”, defendeu.

Alvarás, o velho problema

Carol Arns, do Podemos, aposta no papel de articuladora de soluções para a gestão pública de Curitiba. Ela também afirma que em seu governo as empresas terão alvarás mais rápidos e sem custo. A intenção é estimular novos negócios em Curitiba.

Carol não admite que um empresário espere de seis a oito meses para conseguir um alvará junto à Prefeitura. “Estamos matando o empreendedorismo em nossa cidade”, pontua em seu programa eleitoral.

João ataca Goura

Um vídeo divulgado nas redes sociais desta semana surpreendeu os meios políticos. O candidato João Guilherme, do Novo, atacou o candidato do PDT, Goura, acusando-o de, como deputado estadual, continuar recebendo salário e trabalhar em campanha. “Pode até ser legal, mas é imoral”, atacou o novo do Novo.

Assim se comporta a campanha à Prefeitura de Curitiba.

Previous ArticleNext Article
Pedro Ribeiro
Pedro Ribeiro, jornalista editor-chefe do Paraná Portal