O Brasil realmente não é para amadores

Pedro Ribeiro


 

Agora ficou bom. Jair Bolsonaro finge que é Presidente da República e manda e Rodrigo Maia também finge que comanda um legislativo probo. Trocam selinhos em praça pública e resolvem governar e legislar para o bem do Brasil e dos brasileiros. Como se o país já não tivesse problemas onde mais de 12 milhões de pessoas estão desempregados, barragens rompendo e matando gente por irresponsabilidade de técnicos e dirigentes, o crime organizado barbarizando de dentro dos presídios e o Rio de Janeiro sitiado pela bandidagem e corrupção de seus ex-governantes, Maia e Bolsonaro ficam medindo forças atraindo os holofotes de uma mídia que também pouco contribui com o país, seu desenvolvimento, sua gente.

O certo é que a reforma da Previdência tem que sair este ano. Caso contrário, o Brasil crescerá menos de 2%, aumentará sua dívida e correremos o risco de entramos novamente em uma recessão. Hoje, o país gasta 57% do seu orçamento só com previdência, restando poucos recursos para investimentos em saúde, saneamento básico, educação, segurança pública e infraestrutura. Com a aprovação da reforma, a nação volta a ser reconhecida pelo mundo externo, ganhando credibilidade e atraindo novos investimentos.

Se Bolsonaro e Maia deixarem o trâmite da reforma para quem efetivamente conhece do assunto e de sua importância para o futuro, talvez tenhamos um pouco mais de esperança. O ministro da Economia, Paulo Guedes, nos parece ser a pessoa certa para, pelo lado de executivo, tocar o projeto dessa reforma, enquanto em relação ao legislativo, haverá de ter um parlamentar capacitado para dar andamento a tão importante processo que trará luz ao país.

O ministro da Justiça, Sergio Moro, à sua maneira, conseguiu contornar desavenças também com o piá pançudo, Rodrigo Maia e teve garantia de que o projeto Anticrime terá andamento na Câmara dos Deputados e no Senado. Esperamos.

Previous ArticleNext Article
Pedro Ribeiro
Pedro Ribeiro é jornalista com passagens pela Gazeta do Povo, Folha de Londrina e O Estado do Paraná. Foi pioneiro com a criação do jornal eletrônico Documento Reservado e editor da revista Documento Reservado. Escreveu três livros e atuou em várias assessorias, no governo e na iniciativa privada, e hoje é editor de política do Paraná Portal.