O exemplo de cidadania da fazendeira de 80 anos

Pedro Ribeiro

 

Textos no Whats com mais de 800 caracteres, contados à olho nu, não leio. Mas, uma carta, escrita por uma senhora de 80 anos, me chamou a atenção e fui até o final. Martha Azevedo Pannunzio, da Fazenda Água Limpa,Uberlândia (MG), envia documento ao presidente eleito, Jair Bolsonaro, onde fala que ele não foi seu candidato, mas que agora, como presidente, teria que fazer as coisas certas para o país. O que chama a atenção na carta, são os temas colocados como prioridades por esta senhora que serve de exemplo de cidadão em pleno exercício de seus direitos:

Agora, eleito, licença para lhe apresentar minha pauta de sugestões.

1 – Abra a caixa-preta da Loteria Federal, do BNDES, das estatais, dos Fundos de Pensão, das autarquias, do legislativo, executivo e judiciário em todas as instâncias, dos acordos “caridosos” firmados com os “amigos do peito” dos governos petistas aqui e no exterior;


2 – Garanta a escola sem ideologia e sem religião, por favor;

3 – Priorize a ferrovia e a hidrovia;

4 – Humanize o tempo de carceragem, responsabilizando o apenado pela sua despesa. 700.000 presidiários são uma mão de obra
irrecusável para modernização do escoamento de nossas riquezas. O exército pode cuidar disto com competência.

5 – Recolha e cancele os cartões corporativos;

6 – Reduza as comitivas oficiais dentro e fora do Brasil. Para reforçar seu compromisso com a transparência e a responsabilidade fiscal, faça uma visitinha à Croácia, onde uma linda presidente surpreendeu a humanidade na Copa do Mundo, na Rússia. Vou abrir um parêntese aqui para elogiar a simplicidade do café com bolo servido na sua garagem para o representante de Trump. 50 milhões de brasileiros adultos se orgulharam de você, sabia, Jair? E 40 milhões morreram de inveja.

7 – Reduza pontos facultativos, feriados, feriados emendados, lutos oficiais prolongados, dias santos… Com todo respeito pela religiosidade das pessoas, mas esta vagabundagem acaba prejudicando a indústria, o comércio, o agronegócio, o País como um todo. Alguém vai chiar, mas não se preocupe. A chiadeira faz parte do argumento dos folgados;

8 – Diga NÃO com brandura e firmeza. NÃO é uma palavra poderosa. Pequena. E não dói;

9 – Não dê milho a bode.
Não responda perguntas cretinas.

Eu sonho com um país próspero. Produtivo. Calmo. Com um presidente justo, austero e firme. Seja este mandatário. Seus eleitores votaram de graça, felizes. Eu nunca havia visto uma eleição assim, e olhe que eu tenho 80 anos!

Desculpe se a conversa é comprida. Eu tinha que lhe falar estas coisas. Paro por aqui e prometo voltar a sua presença se for preciso.

Lembre-se: enquanto a caravana passa, os cães ladram. Haverá ladrido de cães. Não se intimide. Nós estaremos por perto.
Cuide-se.
Feliz NATAL!

Post anteriorPróximo post
Pedro Ribeiro
Pedro Ribeiro é jornalista com passagens pela Gazeta do Povo, Folha de Londrina e O Estado do Paraná. Foi pioneiro com a criação do jornal eletrônico Documento Reservado e editor da revista Documento Reservado. Escreveu três livros e atuou em várias assessorias, no governo e na iniciativa privada, e hoje é editor de política do Paraná Portal.