O patético presidente da OAB, a resposta de Moro à Folha e Gilmar Mendes enterrando a Lava Jato

Pedro Ribeiro


 

Se os membros da poderosa Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) deixarem seu presidente usar o órgão em defesa própria, como aconteceu neste domingo na Rede Globo, onde o Fantástico forçou uma reportagem para mostrar à sociedade que o pai de Felipe Santa Cruz, o militante da Ação Popular Marxista-Leninista, Fernando Santa Cruz, há um risco de perda de credibilidade. É certo que a OAB faz um excelente trabalho em defesa dos direitos humanos, da democracia, mas permitir que seja usada em embate entre o presidente da República e seu presidente é temeroso. Para isso, existe a Justiça e, em questão, o Supremo Tribunal Federal. Ninguém, que assistiu ao programa da Globo, pode omitir que Felipe Santa Cruz foi patético ao ameaçar choro diante das câmaras sobre o pai que não conheceu e ainda dizer que seu legado foi a bondade. Pior ainda foi a Rede Globo tentando provar que foram os militares que mataram o terrorista Fernando Santa Cruz.

Este domingo, 05 de agosto de 2019, foi um desastre em termos de notícias jornalísticas mal conduzidas. A Folha de S.Paulo também pecou em não ouvir o ministro da Justiça Sergio Moro, afirmando que ele proferiu palestra e cobrou pelo trabalho sendo que, como juiz, não poderia agir dessa forma. A Folha de S. Paulo, em parceria com o Intercept, revela que o ministro da Justiça e Segurança Pública,  Sérgio Moro, omitiu das autoridades uma palestra remunerada realizada em 2016, quando era juiz federal.

Sergio Moro responde dessa forma, em seu twitter: “em 2016 não fui totalmente sincero. Escondi a doação à caridade decorrente da palestra, pois achei que poderia soar como inadequada autopromoção. E escusas agora pela revelação, mas preciso dela contra falsos escândalos. Há outras doações, mas os fatos importam mais do que a publicidade”.

E para fechar o domingão. O ministro Gilmar Mendes diz em entrevista ao Correio Brasiliense que a Lava Jato é uma organização criminosa para investigar pessoas. Que o País tem que encerrar este ciclo e apostar na institucionalização como saída. Em outras palavras, confiar nas instituições dentre as quais o STF o qual integra, junto com Dias Toffoli, seu presidente, Ricardo Lewandowski…

Bem, por último, o presidente Jair Bolsonaro disse a uma plateia de mais de dois mil evangélicos que não le jornal para não começar o dia envenenado. Mas começa o dia sempre defendendo os filhos. Que desastre.

 

Previous ArticleNext Article
Pedro Ribeiro, jornalista editor-chefe do Paraná Portal
[post_explorer post_id="648901" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]