Consumo desnecessário no dia do consumo

Pedro Ribeiro



 

O televisor de 60 ou 70 polegadas instalado fora das dependências do pequeno casebre, pois suas dimensões eram tão grandes que não cabiam dentro do barraco, bem retratado em uma charge que circula nas redes sociais, é o retrato do consumismo no país em dia de Black Friday. Em Curitiba, pelo menos, a sexta-feira, dia 29 de novembro, foi agitada, desde a padaria, farmácia e shoppings centers – menos açougues – com pessoas se acotovelando nas lojas para comprar produtos com preços supostamente bem abaixo do normal.

Na sexta-feira, depois de uma reunião no centro da cidade, almocei no Manekos e fui passar o tempo fuçando, como sempre faço, nas Livrarias Curitiba e na Biblioteca Pública. Ao passar em frente as Lojas Americanas me chamou a atenção o grande número de pessoas comprando tudo o que viam pela frente, a maioria televisores. Na Rua XV de Novembro, até agora não entendi, havia uma enorme filha para o Burger King.

Pelo que observei nesta sexta-feira – ainda não obtive números de vendas do comércio – a população não está assim à míngua, como pregam os esquerdistas apaixonados pelo líder decadente, Luiz Inácio Lula da Silva, sustentando que o país mais parece terra arrasada, com pessoas passando fome. Pelo contrário, muita gente – pessoas simples – saindo das lojas e carregando nas costas televisores de 43 polegadas ao preço de R$ 1.200 a R$ 1.300.

Se as pessoas estão comprando, embora não podemos negar que existem perto de 13 milhões de desempregados no país, é porque tem dinheiro e estão trabalhando para ganhar. Também não devemos ser míopes ao ponto de não percebermos que a economia vem dando sinais de crescimento. No Paraná, por exemplo, o governador Ratinho Junior vem anunciando quase que diariamente novos investimentos e comemorando aumento no número de empregos.

Nesta mesma sexta-feira, Ratinho Junior revelou que mais de R$ 6 bilhões estariam sendo disponibilizados pelo governo que pagou o décimo terceiro salário para o funcionalismo dinheiro este que alimentará o comércio no Natal.

Não sei se o tal Black friday serve de termômetro para medir aquecimento da economia, mas tenho certeza que é um parâmetro de consumo, mesmo que os produtos consumidos sejam desnecessários.

 

 

Previous ArticleNext Article
Pedro Ribeiro
Pedro Ribeiro é jornalista com passagens pela Gazeta do Povo, Folha de Londrina e O Estado do Paraná. Foi pioneiro com a criação do jornal eletrônico Documento Reservado e editor da revista Documento Reservado. Escreveu três livros e atuou em várias assessorias, no governo e na iniciativa privada, e hoje é editor de política do Paraná Portal.