Ordem de Rio Branco a diretores da Itaipu

Pedro Ribeiro


Cinco funcionários da Itaipu foram condecorados com a Ordem de Rio Branco – um reconhecimento do governo brasileiro a pessoas físicas ou jurídicas, nacionais ou estrangeiras, pela prática de ações e feitos dignos de menção honrosa, além de distinguir serviços meritórios e virtudes cívicas.

No grau de Comendador receberam a homenagem o diretor técnico executivo, Celso Villar Torino; o chefe de gabinete da Diretoria Geral Brasileira, coronel Ricardo Pereira de Araújo Bezerra; e o assessor especial da Diretoria Geral Brasileira, coronel Jorge Ricardo Aureo Ferreira. O grau de Oficial foi concedido à chefe da Assessoria de Comunicação Social, Patrícia Liliana Iunovich; e o grau de Cavaleiro ao assistente do diretor-geral brasileiro, capitão Arceli Pedrozo de Oliveira.

A honraria

A Ordem de Rio Branco foi instituída no dia 5 de fevereiro de 1963, pelo então presidente João Goulart. Possui os seguintes graus: Grã-Cruz, Grande Oficial, Comendador, Oficial e Cavaleiro, além de uma medalha anexa à Ordem. Também é conferida uma Insígnia da Ordem às corporações militares ou às instituições civis.

O objetivo é homenagear os que, por qualquer motivo ou benemerência, tenham se tornado merecedores do reconhecimento do governo brasileiro.

Patrícia Yunovich

“De menina do parque a oficial da Ordem do Rio Branco. Eu e meus amigos, o diretor técnico-executivo, Celso Torino, os coronéis Ricardo Bezerra e Aureo Ferreira e o capitão Arceli Pedroso, assessores e assistente do diretor-geral brasileiro de Itaipu, general Joaquim Silva e Luna, fomos condecorados com a Comenda da Ordem do Rio Branco pelo presidente Jair Messias Bolsonaro. Agradeço ao general Silva e Luna pela generosidade de indicar meu nome. Eu tenho 20 anos de Itaipu, 15 anos e sete meses no quadro próprio. Amo o que faço. Obrigada meus pais, filhos e marido, além dos amigos de toda hora.

A Ordem de Rio Branco foi instituída pelo Decreto nº 51.697, de 5 de fevereiro de 1963, com o objetivo de, ao distinguir serviços meritórios e virtudes cívicas, estimular a prática de ações e feitos dignos de honrosa menção.

A Ordem de Rio Branco, assim intitulada em homenagem ao Patrono da diplomacia brasileira – o Barão do Rio Branco -, consta de 5 graus, a saber: Grã-Cruz, Grande Oficial, Comendador, Oficial e Cavaleiro, além de uma Medalha anexa à Ordem.
“A insígnia da Ordem é uma cruz de quatro braços e oito pontas esmaltadas de branco, tendo no centro a esfera armilar, em prata dourada, inscrita, num círculo de esmalte azul, a legenda “Ubique Patriae Memor”, do mesmo metal. No reverso dourado, as datas 1845-1912.” (Art. 2º do Regulamento)

A expressão em latim “Ubique Patriae Memor” foi extraída do ex-libris do Barão do Rio Branco e se traduz como “Em qualquer lugar, terei sempre a Pátria em minha lembrança”. Os anos que aparecem no reverso da insígnia são os de nascimento e morte do Barão.

A Ordem é dividida em dois Quadros – Ordinário e Suplementar. O primeiro, com vagas limitadas, reúne os diplomatas brasileiros da ativa e o segundo congrega os diplomatas aposentados e todas as demais pessoas físicas ou jurídicas, nacionais ou estrangeiras, que venham a ser agraciadas com a Ordem.

O Conselho da Ordem é constituído pelo Presidente da República, Grão-Mestre da Ordem, pelo Ministro de Estado das Relações Exteriores, na qualidade de Chanceler da Ordem, pelos Chefes das Casas Civil e Militar da Presidência da República e pelo Secretário-Geral do Ministério das Relações Exteriores. O Chefe do Cerimonial do Itamaraty é o Secretário da Ordem”. (Patricia Liliane Iunovich).

Previous ArticleNext Article
Pedro Ribeiro
Pedro Ribeiro, jornalista editor-chefe do Paraná Portal