Oriovisto critica inabilidade política do governo, chama Olavo Carvalho de grosseiro e alerta para a falência do país

Pedro Ribeiro

Há uma crise atingindo os Três Poderes, agravada pela falta de habilidade política do Executivo federal. E a dívida do país já está em R$ 5,5 trilhões e aumenta R$ 1,5 bilhão por dia.

Se o Senado Federal não aprovar um crédito para despesa corrente de R$ 248 milhões ao Executivo, o governo não terá, já em agosto, dinheiro suficiente para pagar os aposentados e os benefícios do Bolsa Família. Aí, não serão apenas os estudantes que estarão nas ruas protestando pelos cortes na Educação, mas também aposentados, o que deixará o país em uma situação ainda mais caótica”. O alerta foi feito pelo senador paranaense, Oriovisto Guimarães (Podemos), em pronunciamento no Senado Federal.

Ao fazer uma análise da atual situação econômica, Oriovisto Guimarães disse que a dívida pública aumenta numa proporção de um R$ 1,56 bilhão por dia e, caso o cenário seja mantido, chegará ao final do ano terá crescido R$ 0,5 trilhão, ou seja, hoje ela já está em R$ 5,5 trilhões e atingirá perto de R$ 6 trilhões.

Essa situação, observou o senador, faz com que muitos empresários brasileiros direcionem seus investimentos para o exterior enquanto os estrangeiros não confiam no cenário econômico brasileiro.


Ao prever a gravidade, que pode parar o país, pois o país estaria à beira da falência, o senador fez um apelo aos senadores e deputados para serem maiores que esta dificuldade que se apresenta e que chegou o momento de se fazer um esforço nacional para tirar o Brasil desta situação. “Estamos vivendo um momento como nunca vivemos antes e o Brasil tem hora marcada com a verdade e a hora chegou, é agora”, disse Guimarães. “Não podemos ficar culpando o Executivo. Precisamos salvar a Nação”, defendeu.

Oriovisto destacou que há uma crise atingindo os Três Poderes, agravada pela falta de habilidade política do Executivo federal. Ele lamentou que o presidente da República, Jair Bolsonaro, e seus familiares prestigiem o escritor Olavo de Carvalho, que segundo o senador, embora se diga filósofo, se caracteriza pela grosseria e a maledicência.

Essa inabilidade política se reflete, de acordo com o parlamentar, na atual crise na educação superior, quando protestos estudantis em todo o país acontecem enquanto o ministro da Educação não dialoga com os reitores das instituições federais de ensino. Ele acrescentou que se a situação do país se agravar, em breve, outros setores tomarão as ruas e não apenas os estudantes e, por esta razão, o Congresso Nacional terá papel fundamental.

A saída da crise para o nosso país só será viável quando formos capazes de não pensarmos mais em nossos partidos, em nossos interesses pessoais e realmente abandonarmos parte do pensamento ideológico, disse. (Com Agência Senado).

Post anteriorPróximo post
Pedro Ribeiro
Pedro Ribeiro é jornalista com passagens pela Gazeta do Povo, Folha de Londrina e O Estado do Paraná. Foi pioneiro com a criação do jornal eletrônico Documento Reservado e editor da revista Documento Reservado. Escreveu três livros e atuou em várias assessorias, no governo e na iniciativa privada, e hoje é editor de política do Paraná Portal.