Oriovisto desnuda orçamento da União que, de R$ 7 tri sobra apenas 0,2 % para investimentos

Pedro Ribeiro

senador oriovisto guimarães

Debruçado em números do orçamento da união, o senador paranaense, Oriovisto Guimarães (Podemos), desnudou a situação financeira do país durante encontro com o ministro da Economia, Paulo Guedes, revelando que não existe dinheiro para investimentos e que o país está quebrado. Guimarães pediu para que Guedes explicasse, em bom português, para que a dona de casa também possa saber como está a vida econômica brasileira que tem um orçamento de R$ 6,802 trilhões, sendo que desse total, a Previdência Privada consumirá R$ 3 trilhões e a folha de pagamento do funcionalismo outros R$ 1,5 trilhão somando R$ 4,5 trilhões. Guimarães colocou também na discussão, o pagamento de R$ 814 bilhões com isenções tributárias e R$ 636 bilhões com créditos de outras fontes.

O governo, segundo ele, vai gastar também R$ 135 bilhões com despesa de capital o que, em suas contas, sobrará 0,2% do orçamento para investimentos.

Essa conta não bate, disse Guimarães que foi elogiado pelo ministro Paulo Guedes, principalmente quando observou que o país tem uma dívida interna de R$ 7,6 trilhões de um PIB de R$ 9 trilhões, ou seja, só a dívida interna resulta em 83% do PIB. O senador alertou que o governo Jair Bolsonaro, ou o Estado, está com o motor fundido e que é preciso atitudes heroicas do Congresso Nacional para avençar nos cortes de despesas carimbadas para canalizar recursos em investimentos de infraestrutura para o país crescer.

Guedes disse que Guimarães fez uma excelente análise sobre o orçamento da União ao explicar que sobram apenas R$ 19 bilhões para investimentos, o que é insignificante. “Quebraram o país e não podemos ficar parados. Vamos liberar infraestrutura para investimentos externos e locais e acelerar as privatizações que estão em marcha-lenta para podermos virar este difícil jogo”, ponderou.

Previous ArticleNext Article
Pedro Ribeiro
Pedro Ribeiro é jornalista com passagens pela Gazeta do Povo, Folha de Londrina e O Estado do Paraná. Foi pioneiro com a criação do jornal eletrônico Documento Reservado e editor da revista Documento Reservado. Escreveu três livros e atuou em várias assessorias, no governo e na iniciativa privada, e hoje é editor de política do Paraná Portal.