Para Hamilton Mourão, Mandetta fez falta e merecia cartão

Pedro Ribeiro

hamilton mourão drogas militar cocaína fab preso espanha foto Gian GalaniACP

“As pessoas que foram às ruas são as do que eu chamo de ‘isolamento zona sul’, pessoas que estão confinadas e que não têm seus salários afetados, que recebem comida de delivery. Essa turma está incomodada porque sua vida está compactada. Foram manifestações bem pouco expressivas. Não vimos a favela descer em peso protestar que estão confinados. Seria uma manifestação bem mais complicada do que carreatas”

Hamilton Mourão, vice-presidente da República

O vice-presidente Hamilton Mourão disse no ‘Estadão Live Talks’, que o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, “não precisava ter dito certas coisas” em entrevista no domingo. Manetta disse que o Ministério da Saúde fala uma coisa e o presidente Blsonaro outra em relação ao isolamento social.
Segundo o Estadão, Mandetta “cruzou a linha da bola” na entrevista no domingo ao Fantástico, da TV Globo, quando disse que a população não sabe se deve acreditar nele ou no presidente Jair Bolsonaro. “Cruzar a linha da bola é uma falta grave no polo. Nenhum cavaleiro pode cruzar na frente da linha da bola”, explicou o vice. “Ele fez uma falta. Merecia um cartão”, continuou Mourão, primeiro convidado da série Estadão Live Talks.
“(Mandetta) não precisava ter dito determinadas coisas”, disse o vice-presidente na entrevista a Alberto Bombig, editor da Coluna do Estadão, Eliane Cantanhêde, colunista do Estado, e Tânia Monteiro, repórter da Sucursal de Brasília. Ao Fantástico, o ministro da Saúde cobrou uma “fala única” do governo nas orientações sobre o enfrentamento do novo coronavírus. “O brasileiro não sabe se escuta o ministro da Saúde, o presidente, quem é que ele escuta”, disse..
Questionado se Mandetta foi “insubordinado”, como seria tratado no ambiente militar, Mourão respondeu: “Não digo que Mandetta foi insubordinado até porque estamos na vida civil. Apesar dele ter sido oficial do Exército, tenente médico, a vida seguiu diferente. As nuances na política são distintas da caserna.”
O vice-presidente disse que as discordâncias entre Mandetta e Bolsonaro precisam ser resolvidas “intramuros”, e não via imprensa. Mourão afirmou ainda ser contra trocar de ministro de Saúde neste momento. “É uma decisão do presidente (tirar um ministro ou não)”, disse. “Eles ficam até que perdem a confiança do presidente. Existe muito tititi, mas julgo que o presidente não deve mudar ministro nesse momento. Cabe mais uma conversa ali, chamar ele e dizer para eles acertarem a passada, para que as coisa sejam discutidas intramuros e não via imprensa.”

“O trabalho técnico da equipe da Saúde é considerado muito bom. Com a coordenação agora do centro de operações capitaneado por Braga Netto, também. É um trabalho muito setorial, envolve mais ministérios”, disse o vice-presidente, que também afirmou não ver Bolsonaro ‘tutelado’ por ministros militares ou por seus filhos Eduardo, Flávio e Carlos, na condução da crise. “O que existe é um processo decisório. Compete a ele, de acordo com as observações feitas, tomar decisões.” (Estadão).

Previous ArticleNext Article
Pedro Ribeiro
Pedro Ribeiro é jornalista com passagens pela Gazeta do Povo, Folha de Londrina e O Estado do Paraná. Foi pioneiro com a criação do jornal eletrônico Documento Reservado e editor da revista Documento Reservado. Escreveu três livros e atuou em várias assessorias, no governo e na iniciativa privada, e hoje é editor de política do Paraná Portal.