Paraná propõe a ministro mudanças no projeto de pedágio no Estado

Pedro Ribeiro


 

O pedágio no Paraná, que há 22 anos vem sendo protagonista de incansáveis e pesadas discussões, envolvendo o setor produtivo e políticos que representam a sociedade, teve mais uma nervosa rodada de negociação nesta quinta-feira, em Curitiba. Durante o encontro foram apresentadas à equipe do governo federal, seis sugestões à nova concessão de rodovias no Paraná.

Reunidos na sede da Federação das Indústrias do Estado (Fiep), lideranças do G7, entidades que representam o setor produtivo e deputados da Frente Parlamentar sobre o Pedágio, entregaram ao ministro da Infraestrutura, Tarcisio de Freitas, um documento em que condenam o programa apresentado pelo governo federal com sistema de outorga.

O ministro observou que o encontro foi bastante produtivo e que todas as reivindicações das lideranças paranaenses serão analisadas pelos técnicos que estão desenhando esta nova licitação para a concessão de rodovias no Paraná, pedágio.

ROMANELLI MANIFESTA POSIÇÃO DOS PARANAENSES

pedágio, pedágios, paraná, luiz claudio romanelli, ministério da infraestrutura, alep, assembleia legislativa do paraná
Divulgação

Um dos mais contundentes na reunião foi o deputado Luiz Cláudio Romanelli que fez uma apresentação ao ministro mostrando a posição da sociedade paranaense em relação às concessões. O parlamentar sustentou que o modelo elaborado pelo Governo Federal não é de interesse dos paranaenses e defendeu a licitação pelo menor preço.

“Nós não queremos o modelo híbrido. Queremos uma licitação pelo menor preço de tarifa”, afirmou o deputado. Segundo ele, está evidente que a concessão que querem impor não interessa ao Paraná. Romanelli destacou que esta constatação é resultado das 10 audiências públicas realizadas pela Frente Parlamentar sobre o Pedágio, criada pela Assembleia Legislativa para ouvir representantes de todas as regiões do Paraná.

Romanelli explicou ao ministro que a iniciativa dos deputados estaduais é para abrir um espaço de debate, onde as posições podem ser expostas de forma objetiva. Ele reforçou que as audiências tem a participação de empresários, lideranças políticas e de segmentos do setor produtivo, além da própria população. “O grande protagonista deste debate não são os deputados, é a sociedade e o setor produtivo do Paraná”, disse.

Ninguém tem posição intransigente, mas nossa defesa é por um leilão pelo menor preço e com garantia de execução das obras”, afirmou Romanelli.

SEM OUTORGA E PREÇOS MAIS BAIXOS DAS TARIFAS


Para o representante da Federação das Empresas de Transporte de Cargas do Estado (Fetranspar), coronel Sergio Malucelli, o modelo apresentado pelo governo federal precisa de ajustes, principalmente quando se trata da outorga e preços das tarifas.

Nosso setor é um dos que mais utiliza as rodovias. São perto de 45 mil caminhões que circulam diariamente pelas estradas paranaenses e grande parte transportando o agronegócios. Portanto, temos que encontrar uma saída que fique bom para todos os lados e que não penalize apenas os usuários do pedágio, disse Malucelli.

O estudo apresentado pelo Ministério da Infraestrutura e pela Empresa de Planejamento e Logística (EPL) comprovam a necessidade de reestruturação completa do modelo de transporte rodoviário do Paraná. Os empresários e parlamentares também mostraram ao ministro a insatisfação em relação ao atual modelo, principalmente em relação ao alto custo das tarifas e redeução nas obras contratuais e necessárias.

O setor produtivo paranaense mostrou ao ministro a necessidade de tornar o Estado do Paraná um estado competitivo e moderno, capaz de atrair investimentos e gerar emprego e renda.

REIVINDICAÇÃO DO SETOR PRODUTIVO PARANAENSE

Para os empresários, as novas concessões devem contemplar os seguintes itens:

– Modelo de licitação da concessão pela menor tarifa sem limite de desconto;

– Garantia adicional da execução das obras por meio da exigência de depósito caução;

– Adequação da tarifa quando da duplicação de pistas, observando-se os custos efetivos das obras de cada trecho;

– Transparência total no processo de licitação

– Garantir a implantação efetiva de fóruns de arbitragem e mediação;

– Que o Governo Federal proceda a desoneração do PIS/Cofins das tarifas cobradas dos usuários que são serviços públicos de responsabilidade do governo federal.

Previous ArticleNext Article
Pedro Ribeiro
Pedro Ribeiro, jornalista editor-chefe do Paraná Portal