Polícia Civil vai ao vice-governar e mostra quadro desolador

Pedro Ribeiro


 

 

Como acontece com todos os governos em início de mandato, não seria diferente com o jovem Carlos Massa Ratinho Junior. Por mais que divulgue seu plano de ação e tome medidas drásticas de redução de custos em especial da máquina para fazê-la funcionar de forma efetiva e eficiente, tem à sua frente, quase que diariamente, setores descontentes que debruçam sob sua mesa uma parafernália de documentos reivindicatórios.

Não tive conhecimento se o governador Ratinho Junior recebeu o rosário de lamentações – justo, é claro – do Sindicato das Classes Policiais do Estado do Paraná – Sinclapol, mas sei que o vice-governador, Darci Piana, se reuniu com essas lideranças. Na pauta reivindicatória do encontro, a lembrança de que a lei atual prevê 7.305 vagas de policiais civil, mas o efetivo não chega a 4 mil, informa o presidente Fábio Barddal.

O Sinclapol sugere que haja um planejamento e que a gestão seja técnica e não mais política.”O olhar da polícia civil deve ser voltado à prestação de bons serviços à comunidade, e não à política pela política”, observa.

Também falou sobre a superlotação de unidades da polícia civil no centro da cidade de Curitiba.  Delegacias, funcionários e presos sofrem com os cárceres onde se ultrapassa em mais de quatro vezes a capacidade.

Também foi entregue ao vice-governador uma minuta de projeto de lei instituindo a carreira única na policial civil do Paraná, que já é uma proposta de lei apresentada pela COBRAPOL (Confederação Brasileira de Trabalhadores Policiais Civis), na SENASP (Secretaria Nacional de Segurança Pública), órgão do Ministério da Justiça.

Barddal disse a Piana que só no ano passado houve seis suicídios na Polícia Civil do Paraná, por motivos diversos, mas deduz-se que a desarmonia interna e falta de condições de trabalho, assim como informações de recorrentes casos de assédio contra os nossos policiais corroboram contundentemente para este trágico desfecho.

Participaram do encontro: Sinclapol-Presidente, Fábio Bardal, vice-presidente, Daniel Cortês, diretor de assuntos parlamentares, Rohanito Navarro, diretor jurídico, Milton Miró Vernalha Filho, diretor- adjunto, Misael de Lima Nemecek e Wilson Vila, presidente da União da Polícia Civil. A exceção de Wilson Vila, os demais são diretores do Sinclapol

Previous ArticleNext Article
Pedro Ribeiro, jornalista editor-chefe do Paraná Portal
[post_explorer post_id="591443" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]