Prefeitura amplia atendimento a moradores de rua que sofrem com o frio

Pedro Ribeiro


Curitiba, nos últimos meses, passou a ser a cidade preferida por pessoas excluídas que vivem abaixo da linha da miséria. Embaixo de marquises de lojas de comércio, acomodados em colchões, caixas de papelões e cobertores doados pelas comunidades dos entornos, esses moradores de ruas estão preocupando as autoridades municipais, embora tenham o direito de morar e permanecer nas ruas.

Neste final de semana, com frio intenso, a Prefeitura Municipal de Curiutiba, através da FAS – Fundação de Assistência Social, atendeu 103 desses m oradores que passavam frio nos locais escolhidos para pernoite. As temperaturas abaixo dos dez graus contribuíram para o volume de atendimentos. A média é de aproximadamente 60 casos em uma noite de temperaturas um pouco mais elevadas.

Entre as pessoas atendidas está um homem que foi retirado no Canal do Rio Belém, com hipotermia. Ele foi medicado e está na Casa da Acolhida, no bairro Sítio Cercado. Outro homem foi resgatado no viaduto do Boqueirão, e já está com a família em São José dos Pinhais, na região metropolitana de Curitiba.

Por determinação do prefeito Rafael Greca, no início de junho, o serviço de abordagem social a pessoas em situação de rua foi intensificado nas ruas da capital. “Com a friagem do inverno, intensificamos nosso trabalho de resgate social”, destacou o prefeito.

Além do trabalho do pessoal do Centro de Abordagem 24 horas da Fundação de Ação Social (FAS), que atendem às solicitações de atendimento que chegam pela Central 156, outras sete equipes, formadas por assistentes e educadores sociais, percorrem a cidade para a busca ativa de pessoas que estejam em situação de risco nas ruas.

Previous ArticleNext Article
Pedro Ribeiro
Pedro Ribeiro, jornalista editor-chefe do Paraná Portal