Presidente da Câmara pode dar golpe do parlamentarismo no país

Pedro Ribeiro

Governo fará racionamento para evitar apagão de energia, diz Lira

 

Como percebemos, Jair Bolsonaro acabou se transformando o país em um poço de crise, o que vem motivando a troca do presidencialismo pela figura do primeiro-ministro, o que amplia o poder do Congresso Nacional.

Quem está por trás desta articulação é justamente o aliado de Bolsonaro na Câmara Federal, ou seja, o presidente da casa, Arthur Lira. Segundo o Estadão, Lira estaria disposto a esvaziar a pressão para autorizar o impeachment de Jair Bolsonaro, articulando, com aliados, a mudança no sistema de governo por meio de uma proposta de emenda à Constituição (PEC).

Arthur Lira lança essa ideia a um ano e três meses das eleições de 2022 e sob a justificativa de que o presidencialismo virou uma fonte inesgotável de crises.

O modelo introduz no cenário político a figura do primeiro-ministro e aumenta o poder do Congresso. Embora a proposta determine que o novo sistema tenha início apenas no primeiro dia do “mandato presidencial subsequente” à promulgação da emenda, sem fixar datas, o presidente da Câmara, ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) e ex-presidentes, como Fernando Henrique Cardoso, Michel Temer e José Sarney, defendem o ano de 2026 como ponto de partida.

Previous ArticleNext Article
Pedro Ribeiro, jornalista editor-chefe do Paraná Portal
[post_explorer post_id="776313" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]