Procura-se um vice para Governo do Estado

Pedro Ribeiro

 

A um passo das eleições, os partidos políticos começam a realizar suas convenções. No Paraná, o PSD de Ratinho Junior e o PMDB de Roberto Requião marcaram para este sábado, o encontro em que escolherão os candidatos a deputados estaduais e federais, a senador e governador. Neste período, portanto, os candidatos ao Governo do Estado tentam, de todas as formas, convencer dirigentes de partidos na tentativa de fazer coligações para aumentar o poder de voto e tempo na televisão e no rádio. Das convenções, o pouco que se sabe, com certeza, é que nenhum dos candidatos – Ratinho Junior, Osmar Dias e Cida Borghetti – não tem ainda um escolhido para vice.

Vergonha. Pagamos até o pão de queijo do parlamentar

Depois da má gestão do INSS que maltrata o cidadão contribuinte que pretende se aposentar com demoras de até 2 meses nos ditos “análises” dos processos, das obras inacabadas, principalmente do programa Minha Casa Minha Vida, onde vemos chefes de famílias indo às lágrimas por falta de moradias, além da corrupção endêmica, agora me chama a atenção a notícia de que nó, contribuintes, pagamos até o pão com queijo e presunto do café da manhã dos parlamentares.


Quem nos conta este triste fato é o jornalista Cláudio Humberto, do Diário do Poder. “Com salários de R$33.723 e mais R$106.866 para contratar aspones, cada deputado federal ainda pode solicitar reembolso de despesas de R$45 mil mensais, em média, para promoção pessoal e para pagar até pão de queijo. E não é força de expressão: Afonso Motta (PDT-RS) apresentou nota fiscal de R$1 na compra de um pão de queijo, despesa certamente relevante no exercício da atividade parlamentar.

O campeão de gastos neste momento, no ano, é o deputado Hélio Leite (DEM-PA): pediu ressarcimentos que totalizam R$287 mil. Jarbas Vasconcelos (MDB-PE) comeu no restaurante do Senac e pediu ressarcimento de R$3,27, equivalentes a 0,009% do seu salário.

Jhonatan de Jesus (PRB-RR) foi o que mais gastou este ano com promoção pessoal ou “divulgação da atividade”: R$192 mil. Afonso Motta, que não deixa passar nem pão de queijo, foi ressarcido em R$1,6 milhão desde a posse, além de R$1,55 milhão em salários.

Post anteriorPróximo post
Pedro Ribeiro
Pedro Ribeiro é jornalista com passagens pela Gazeta do Povo, Folha de Londrina e O Estado do Paraná. Foi pioneiro com a criação do jornal eletrônico Documento Reservado e editor da revista Documento Reservado. Escreveu três livros e atuou em várias assessorias, no governo e na iniciativa privada, e hoje é editor de política do Paraná Portal.
Comentários de Facebook