Quando quem ignora a imprensa precisa dela

Pedro Ribeiro

Governadora Cida Borghetti exonera Deonilson Roldo do cardo de diretor da Copel e a Comunicação Social do Palácio Iguaçu informa que ele será demitido de outros cargos que ocupa no governo, principalmente de conselheiro de empresas estatais

Sempre ignorando a imprensa, embora seja jornalista formado e secretário de Estado da Comunicação, o atual diretor da Copel, Deonilson Roldo, envolvido em escândalo de caixa dois com a empreiteira Odebrechet, envia nota patética à imprensa onde assina como jornalista. O todo-poderoso ministrinho do governo Beto Richa traça seu próprio perfil de homem público que, nunca, jamais, cometeu irregularidades.

Deonilson – o Deo – sempre comandou o terceiro andar do Palácio Iguaçu com punho de ferro e autoridade. Era ele, por exemplo, que impedia com que a vice-governadora, Cida Borghetti, chegasse perto do príncipe e o próprio que não permitia que ela viajasse com o governador no jatinho do Governo do Estado.

Dono de vários cargos (ou penduricalhos dentro do governo, onde um bloguista de Curitiba apurou oito desses cargos) Deo se fingia de Maquiavel para “ferrar meio mundo”. Foi o responsável por várias demissões de pessoas que não quiseram compactuar com suas ações, entre elas, um do DER. Admitia e demitia a seu gosto.


“Sou acusado caluniosamente de tratar de uma licitação com um empresário que não participou desse processo e de lhe oferecer vantagens na negociação de um empreendimento cuja venda não se efetivou. Isso para beneficiar uma terceira parte numa obra que nunca foi realizada. Ou seja, nada do que insinuam aconteceu”, afirma

Tão logo soube da denúncia contra o diretor de Gestão Empresarial da Copel, o Sindicato dos Engenheiros do Estado enviou ofício à presidência da estatal pedindo a imediata demissão do envolvido no caso Odebrecht. A governadora Cida Borghetti exonerou Deonilson Roldo no final da tarde.

“Estou sendo vítima de chantagem continuada, a partir de uma gravação clandestina feita por pessoa que esteve uma única vez em meu gabinete, no Governo do Estado, em 2014, buscando informações sobre uma Parceria Público-Privada”, sustenta.

Segundo Deonilson Roldo, “a existência dessa gravação, por si só, não compromete a minha postura de respeito e observância às leis e à ética. Até porque, como disse antes, a referida conversa não teve efeito prático nenhum. Só serve para alimentar interesses levianos de ex-políticos que provavelmente não se conformam de não obter, imagino eu, vantagens com chantagens ou práticas que nunca foram admitidas durante a minha passagem pela Administração Pública”.

Post anteriorPróximo post
Pedro Ribeiro
Pedro Ribeiro é jornalista com passagens pela Gazeta do Povo, Folha de Londrina e O Estado do Paraná. Foi pioneiro com a criação do jornal eletrônico Documento Reservado e editor da revista Documento Reservado. Escreveu três livros e atuou em várias assessorias, no governo e na iniciativa privada, e hoje é editor de política do Paraná Portal.
Comentários de Facebook