Ratinho Junior quer apoio da Itaipu para o corredor bioceânico

Pedro Ribeiro

 

A Itaipu Binacional e o Governo do Estado vão ampliar parcerias visando o desenvolvimento do Paraná. Nesta segunda-feira, durante encontro no Palácio Iguaçu, o governador Ratinho Junior pediu apoio ao diretor-geral da Itaipu Binacional, General Joaquim Silva e Luna para projetos estratégicos do Estado. Entre as solicitações, está o corredor bioceânico ligando o Porto de Paranaguá ao de Antofagasta, no Chile, e a manutenção da distribuição dos royalties nos moldes atuais, quando o anexo C do Tratado for revisado.

Apaixonado pela ideia de fazer do Paraná um “hub” logístico da América do Sul, o governador Ratinho Jr sonha em criar uma rota bioceânica, que permita ligar o Porto de Paranaguá, no Atlântico, ao de Antofagasta, no Pacífico. Cargas do Paraná poderiam seguir para o Chile; de lá e de outros países vizinhos poderiam vir mercadorias para abastecer o mercado brasileiro, principalmente, e até para exportar via Atlântico, de acordo com as rotas de interesse dos exportadores.


Na conversa com o diretor-geral brasileiro da Itaipu, Ratinho Júnior argumentou que o Paraná é o Estado que mais tem condições de implementar o projeto dessa ligação, pela vocação agroeconômica e condição geopolítica. Das dez maiores cooperativas do Brasil, seis estão no Estado, isso sem contar as mais de duzentas micro e pequenas cooperativas, o “que demonstra a pujança do Paraná”, segundo o governador.



“A ideia é consolidar essa vocação do Paraná, aproveitando o potencial logístico e sua capacidade de produção de alimentos. Essa é a nossa principal vantagem”, afirmou.
O general Joaquim Silva e Luna sinalizou a possibilidade de apoio a essa proposta do governador paranaense, mas disse que será preciso dialogar com os vários atores que podem ser envolvidos no projeto, que é de longo prazo.


Royalties


Sobre a questão dos royalties, a partir da revisão do Anexo C do Tratado de Itaipu, em 2023, o diretor-geral brasileiro explicou que foi montado um grupo de trabalho dentro de Itaipu para propor uma solução para esse e outras temas relacionados à negociação com o Paraguai.


O general Joaquim Silva e Luna lembrou ao governador a contribuição que Itaipu já deu e vem dando ao Paraná, desde a criação da Lei dos Royalties, com a distribuição de recursos ao Estado e aos 16 municípios que recebem o benefício (Santa Helena, Foz do Iguaçu, Itaipulândia, Diamante D’Oeste, Entre Rios do Oeste, Guaíra, Marechal Cândido Rondon, Medianeira, Mercedes, Missal, Pato Bragado, São José das Palmeiras, São Miguel do Iguaçu, Santa Terezinha de Itaipu e Terra Roxa, no Paraná, e Mundo Novo, no Mato Grosso do Sul).


No total, foram pagos mais de 11 bilhões de dólares para o Brasil e o Paraguai. Só os municípios lindeiros receberam 2 bilhões de dólares. O Paraná recebeu outros 2 bilhões de dólares.


Silva e Luna também destacou sua missão de trabalhar a negociação com o país vizinho tornando mais equânimes as assimetrias de Itaipu, levando em consideração os interesses nacionais. “A unidade sul-americana é uma construção permanente, haja vista que nossos vizinhos estarão aí para sempre”, finalizou.
Participaram do encontro, além do governador, o diretor-geral brasileiro de Itaipu, secretários de Estado e assessores do general Silva e Luna.

A Itaipu Binacional pode ser parceira do Governo do Estado na execução de projetos estruturantes para a infraestrutura do Paraná. O assunto foi discutido nesta segunda-feira (18), em encontro no Palácio Iguaçu entre o governador Carlos Massa Ratinho Junior e o diretor-geral brasileiro da usina, Joaquim Silva e Luna.

Um destes projetos é o do corredor bioceânico ligando os portos de Paranaguá e Antofogasta, no Chile. A ideia, de acordo com Ratinho Junior, é usar a influência da Itaipu para criar um ambiente político propício, junto com autoridades dos países vizinhos, para tirar do papel esse projeto.

No encontro também foram tratados de outros projetos estruturantes, como o novo traçado ferroviário entre Curitiba e o Litoral e a modernização das rodovias estaduais. A Itaipu já é parceira do Governo do Estado no projeto de construção da segunda ponte que vai ligar Foz do Iguaçu ao Paraguai. O Paraná fará a gestão da obra, que será financiada pela companhia e vai desafogar o trânsito da Ponte da Amizade.

Nossa produção agropecuária dobra a cada dez anos, mas tanto as rodovias quanto as ferrovias estão defasadas para escoar esses produtos”, afirmou o governador. “Queremos posicionar o Paraná como o maior produtor de alimentos do mundo. Para isso, precisamos vencer os desafios e modernizar os modais logísticos”, disse.

Ratinho Junior ressaltou que o governo está preparando um plano diretor da infraestrutura do Estado e vai destinar R$ 270 milhões para a elaboração de projetos executivos, necessários para a execução das obras. Além disso, também trabalha junto com o governo federal para ampliar a área de concessão rodoviária estadual, incluindo mais mil quilômetros de rodovias no Anel de Integração.

CORREDOR BIOCEÂNICO – 

O governador sugeriu que a diretoria da Itaipu promova reuniões com embaixadores dos países por onde passará o traçado da futura ferrovia, como Argentina, Chile e Peru – um primeiro passo antes de iniciar a execução do projeto. “É um diálogo que vale a pena, já que é uma obra estruturante muito importante e um sonho antigo do País”, afirmou Silva e Luna.

Ratinho Junior falou sobre o interesse de empresas chinesas na execução do projeto, reiterado pelo embaixador da República Popular da China, Yang Wanming, que esteve na semana passada no Palácio Iguaçu. Naquela reunião, o governador destacou que a Itaipu ficaria responsável pelo projeto executivo da nova ferrovia.

TURISMO –

 O governador também pediu o apoio da Itaipu para impulsionar o turismo no Estado. Foz do Iguaçu é hoje o segundo principal destino turístico do País, tendo na maior usina hidrelétrica do mundo em geração de energia um dos seus principais atrativos.

A ideia é fazer com os turistas que visitam Foz fiquem mais tempo no Paraná e conheçam os outros destinos do Estado. O Paraná tem 14 regiões turísticas e mais de dois mil atrativos em pelo menos 283 municípios. Eles estão disponíveis no portal Viaje Paraná (www.viajeparana.com).

PRESENÇAS –

 Acompanharam a reunião o chefe da Casa Civil Guto Silva; os secretários da Segurança Pública e Administração Penitenciária, Luiz Felipe Carbonell; e da Comunicação Social e Cultura, Hudson José; e o chefe de Gabinete, Daniel Vilas Bôas, e o diretor Financeiro Executivo da Itaipu, Anatalício Risden Junior.

 

Post anteriorPróximo post
Pedro Ribeiro
Pedro Ribeiro é jornalista com passagens pela Gazeta do Povo, Folha de Londrina e O Estado do Paraná. Foi pioneiro com a criação do jornal eletrônico Documento Reservado e editor da revista Documento Reservado. Escreveu três livros e atuou em várias assessorias, no governo e na iniciativa privada, e hoje é editor de política do Paraná Portal.
Comentários de Facebook