Vacina russa, acordo paranaense e a posição científica

Pedro Ribeiro


O governo do Paraná deve anunciar nesta quarta-feira um acordo com o Ministério de Saúde da Rússia para a produção de uma vacina contra o vírus.

Já o Ministério da Saúde considera prematuro qualquer intenção neste sentido por entender que ainda não há provas de segurança e eficácia da vacina russa contra a covid-19.

Técnicos do ministério questionaram sobre as características e estimativas de preço. Eles também sinalizaram interesse em manter diálogo sobre o desenvolvimento das drogas. As tratativas iniciais foram feitas com representantes do Fundo de Investimento Direto da Rússia.

O governador de São Paulo, João Dória, afirmou que a Fundação Oswaldo Cruz não participará da produção dessa vacina.

No Paraná, a Frente Parlamentar de Combate ao Coronavírus também se reúne nesta quarta-feira para discutir o assunto e a convidada para falar sobre a vacina russa é a a vice-diretora geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Mariângela Batista Galvão Simão.

Mariângela é responsável justamente pela área de Acesso a Medicamentos, Vacinas e produtos Farmacêuticos da OMS, em Genebra, na Suíça. A médica está diretamente envolvida no processo global de busca por uma vacina contra o coronavírus e poderá apresentar o que já há de estudos referentes aos medicamentos que têm sido utilizados no combate à pandemia.

Até o momento, segundo a Organização Mundial da Saúde, 165 laboratórios trabalham na pesquisa de uma vacina contra a Covid-19.

Estudos sobre o produto russo geram dúvida na comunidade científica. As pesquisas para a vacina estão na fase 3, segundo o governo Putin, mas a Organização Mundial da Saúde (OMS) aponta que a droga está na primeira etapa dos estudos. Os desenvolvedores russos ainda não divulgaram detalhes sobre os resultados, duração e dados sobre as fases anteriores. Além disso, o antídoto para a covid-19 foi aprovado após menos de dois meses do início dos testes em humanos.

As leis para o coronavírus

Nestes pouco mais de 120 dias de pandemia, confinamento e confusão na área econômico em função do vírus, a Assembleia Legislativa anuncia o lançamento de uma campanha sobre as 132 leis aprovadas pelos deputados durante a pandemia do coronavírus e que reforça os cuidados que devem ser adotados pela população, como o uso de máscaras.

Previous ArticleNext Article
Pedro Ribeiro
Pedro Ribeiro, jornalista editor-chefe do Paraná Portal