Vanhoni quer diretório de Curitiba

Pedro Ribeiro



 

Dia oito de setembro as atenções do PT paranaense não estarão voltadas apenas para a vigia Lula Livre, mas também para a convenção municipal do partido. O ex-deputado federal, Angelo Vanhoni e a professora Josete serão candidatos ao diretório de Curitiba. Participarão também do bate-chapa os deputados estaduais, professor Lemos e Tadeu Veneri e a ex-vice-prefeita de Curitiba, Mirian Gonçalves. A deputada federal e presidente nacional do partido, Gleisi Hoffmann estará acompanhando a disputada e, pelo que se sabe, tem tendências a Vanhoni.

Campanha sem trégua

O jornal O Globo continua firme na sua campanha contra o procurador e coordenador da Lava Jato, Deltan Dallagnol.  Gabriel Mascarenhas diz, na edição de hoje do jornal, que nomes importantes dentro do Ministério Público Federal já pensam em uma possível saída de Dallagnol. Em resposta, o procurador disse que a operação Lava Jato não vai parar e que ele está cada vez mais disposto a colocar um fim na corrução no Brasil.

A ata bilateral de Itaipu

Sobre as questões relativas à Ata Bilateral, assinada em 24 de maio de 2019, que trata da contratação de potência da Usina Hidrelétrica Binacional de Itaipu, os Ministérios das Relações Exteriores, de Minas e Energia e a Eletrobras, esclarecem:

  1. A Ata Bilateral teve por finalidade estabelecer um contrato de venda de energia de Itaipu no período de 2019 a 2022, garantindo à usina os recursos necessários para seu funcionamento, e por consequência, a estabilidade no fornecimento de energia elétrica a ambos os países. Desta forma, daria cumprimento ao Artigo XIII do Tratado de Itaipu, que estabelece que os países se comprometem a contratar toda a potência disponibilizada pela binacional;
  2. Também buscava corrigir uma defasagem histórica na contratação da energia de Itaipu por parte da Ande. Considerando que a contratação pela Ande não tem acompanhado o alto crescimento de sua demanda de energia, a Ata Bilateral buscou reequilibrar esta relação, de modo que cada parte pague pela energia que efetivamente consome;
  3. Diferentemente do que tem sido divulgado, todo o processo de negociação que resultou na assinatura da Ata Bilateral não foi secreto. Em todas as reuniões houve a participação dos representantes dos Ministérios das Relações Exteriores de ambos os países, da Eletrobras, da Ande e da Itaipu Binacional;
  4. Cabe ainda destacar que o Tratado de Itaipu somente permite a venda da energia produzida pela usina para a Eletrobras e para a Ande. Portanto, não tem qualquer fundamento a especulação sobre a possibilidade de comercialização da energia da usina binacional por parte de alguma empresa que não seja a Eletrobras e a Ande;
  5. Cabe destacar que o resultado da Ata Bilateral foi fruto de consenso entre os representantes dos dois países no sentido de se chegar a um acordo justo para ambas as partes; e
  6. Por fim, o Brasil continua dialogando com o Paraguai, de forma a construir as soluções que contribuam para a correção dos eventuais desequilíbrios em relação a contratação da energia produzida.

Previous ArticleNext Article
Pedro Ribeiro
Pedro Ribeiro é jornalista com passagens pela Gazeta do Povo, Folha de Londrina e O Estado do Paraná. Foi pioneiro com a criação do jornal eletrônico Documento Reservado e editor da revista Documento Reservado. Escreveu três livros e atuou em várias assessorias, no governo e na iniciativa privada, e hoje é editor de política do Paraná Portal.