Voto impresso pode impor mais uma derrota a Bolsonaro

Pedro Ribeiro

bolsonaro, jair bolsonaro, tcu, cpi, covid, covid-19, coronavírus

A exemplo do que disse o deputado Luiz Cláudio Romanelli (PSB) de que o voto impresso seria uma estratégia de perdedores para deslegitimar as eleições de 2022, esta semana deve ser aprovada pela Câmara de Constituição e Justiça da Câmara dos Deputados  a PEC  que avalia se a matéria é constitucional ou não.

A defesa insistente para a volta do voto impresso vem do próprio presidente Jair Bolsonaro que afirmou ter havido fraude nas urnas eletrônicas em 2018, mas não consegue comprovar. Tem-se quase certo que Bolsonaro perdeu a disputa para implantar o voto impresso como queria.

Onze partidos, incluindo vários do  “Centrão”, aliado do presidente, já avisaram que não aprovariam a PEC caso ela fosse para votação na Câmara e no Senado. Com isso, os bolsonaristas não teriam os 308 votos necessários para mudar as urnas eletrônicas, e a questão sequer deve chegar aos plenários do Congresso.

Se confirmada, a derrota de Bolsonaro significa que o Brasil seguirá em 2022 com a urna eletrônica funcionando exatamente nos moldes das últimas eleições.

A BBC Brasil ouviu  o professor Carlos Melo, cientista político do Insper, em São Paulo, que afirmou: mesmo tendo perdido essa batalha política, Bolsonaro seguirá com sua estratégia de deslegitimar a eleição de 2022 caso seja derrotado nas urnas, com o argumento de que faltaria transparência no sistema eleitoral brasileiro — o mesmo que conduziu o presidente ao mandato em

“O presidente está jogando. Ele está preparado para ter o voto impresso e para não ter o voto impresso. Ele constituiu uma narrativa e seus eleitores acreditam nisso. A questão é: qual é o resultado que sairá das urnas? Ele vai contestar porque faz parte da estratégia dele”, diz.

Segundo Melo, existe ainda o risco de uma repetição no Brasil do que se viu nos Estados Unidos após a derrota de Donald Trump para Joe Biden, com contestação violenta de resultados. No dia 6 de janeiro, manifestantes pró-Trump, seguindo a orientação do ex-presidente de questionar o resultado das eleições, invadiram o Congresso americano, em um episódio que resultou em cinco mortes. (BBC Brasil)

O QUE FALA ROMANELLI

“A facilidade para a quebra do sigilo do voto de alguns eleitores, fere o meu direito de uma eleição justa. É uma quebra da isonomia”.

Enquanto o Brasil pede socorro nestes tempos amargos, vivendo uma tragédia sem precedentes com mais de 430 mil mortos pela covid-19, resultando numa grave crise sanitária, social e econômica, o seu presidente, Jair Bolsonaro, levanta uma bandeira morta, a do voto impresso, numa demonstração típica de retrocesso democrático.

O sucesso do voto eletrônico no Brasil chamou a atenção do mundo, em especial dos países desenvolvidos que aprovaram a iniciativa também como avanço democrático.

As urnas eletrônicas, introduzidas no país há mais de 20 anos, fez com que o Brasil se tornasse referência mundial, dando resultados das eleições momentos após o encerramento das votações e sem qualquer risco de fraude, como insinua Bolsonaro, eleito pelo voto direto nas urnas eletrônicas.

A volta do voto secreto não é prioridade no Brasil. No momento, serve para atender interesses pessoais do presidente. Voto impresso é voto de curral nos grotões do País, punem territórios dominados pelo crime, seja por traficantes ou por milícias.

Desde que o voto eletrônico foi implantado sempre houve acompanhamento paralelo de apuração por sites. Mesmo que haja eventual possibilidade de fraude, ela se torna muito menor diante do voto impresso. Hoje o sistema da urna eletrônica tem mecanismos seguros de redução da possibilidade de fraude.

Não é mais como no tempo da Proconsult, quando ainda se engatinhava na era cibernética, em que se tentou fraudar a primeira eleição de Leonel Brizola como governador do Rio.  A tentativa de fraude foi grosseira e desmascarada.

Também não podemos comparar aquela época com a de agora, apesar do grande número de hackers que conseguem eventualmente entrar em sistemas como se tentou na última eleição.

O próprio sistema hoje de votação por urna eletrônica tem dispositivo que bloqueia e interrompe o processo quando se detecta qualquer tentativa de invasão.

Segue um roteiro de desacreditar a democracia e o sistema de votação do País, como tentou o presidente dos EUA, o seu principal líder e mentor. Mesmo sendo sistema de voto impresso lá. A questão do voto impresso é apenas pano de fundo, atende a interesses  de propósito que não devem ser os mais honestos.

Não há regime democrático, sem respeito ao resultado das urnas.

Luiz Cláudio Romanelli, deputado estadual

 

Previous ArticleNext Article
Pedro Ribeiro, jornalista editor-chefe do Paraná Portal
[post_explorer post_id="773923" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]