Armas do Departamento Penitenciário do Paraná foram desviadas e podem estar na mão de criminosos

Julie Gelenski


Com Rádio BandNews FM

A investigação corre em sigilo de justiça, mas houve a confirmação por parte da assessoria do Depen, o Departamento Penitenciário do Paraná, de que a denúncia é verdadeira. Armas que seriam destinadas ao uso de agentes penitenciários de elite, treinados para agir no controle de rebeliões e crises em presídios do Estado, foram desviadas e podem estar nas mãos de criminosos.

Funcionários do Departamento Penitenciário do Paraná (Depen-PR), fizeram uma denúncia contando sobre sumiço de algumas carabinas Winchester, espingardas calibre 12 e revólveres 38, que estavam no paiol da Seção de Operações Especiais o Soe. Segundo as informações de um servidor, que não quis ser identificado, as armas extraviadas faziam parte de um arsenal recebido da Delegacia de Explosivos, Armas e Munições o Deam em agosto do ano passado.

“Na época, a subdivisão precisava de armamento e a Deam tinha armas apreendidas que seriam destruídas ou desmanchadas. Muitas dessas armas estavam em ótimo estado, foi feito um ofício e foram assinados os documentos para o armamento ser enviado à Soe em vez de seguir para destruição”, informou o servidor que pediu para não ter o nome divulgado.

O agente penitenciário segue explicando que aproximadamente 130 armas de diferentes modelos, foram catalogadas e registradas na Polícia Federal: “Tudo foi feito com muito cuidado. Só que os responsáveis pelo paiol de armas foram mudando com o tempo e, há cerca de dois meses, os novos responsáveis perceberam que as quantidades apresentadas nos documentos não conferiam com o número de armas disponíveis”, explicou ele.

A polícia e o Depen-PR já identificaram um suspeito de cometer os desvios. Ele seria um servidor que durante certo período ficou responsável pelo armazenamento do arsenal. Como afirma o diretor do Depen, Luiz Alberto Cartaxo:

O caso foi encaminhado para a  Delegacia de Furtos e Roubos (DFR), e está aos cuidados do Delegados Matheus Laiola.

O agente revela que os colegas acreditam que o desvio tenha sido cometido com a participação ou o consentimento de outras pessoas, tendo em vista que o depósito é vigiado a todo momento.

O agente explica que o depósito de armas fica dentro do antigo setor de isolamento de presos na Penitenciária Central do Estado, em Piraquara, região metropolitana de Curitiba. Em conversa com o repórter Ricardo Pedreira da Rádio Band News ele explica que essas armas não devem estar em boas mãos, o que preocupa:

Previous ArticleNext Article
[post_explorer post_id="403579" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]