Patrocinados Patrocinado
Compartilhar

Programas Sisu, Prouni e Fies têm calendário de inscrições alterado

Programas públicos de entrada ao ensino superior do país tiveram os calendários alterados. A mudança foi necessária para..

Conteúdo patrocinado - 17 de junho de 2020, 18:35

Programas públicos de entrada ao ensino superior do país tiveram os calendários alterados. A mudança foi necessária para atender a uma solicitação das instituições de ensino superior públicas e privadas, segundo o secretário de Ensino Superior do Ministério da Educação (MEC), Wagner Vilas Boas Souza.

Com isso, a inscrição do Sistema de Seleção Unificada (Sisu) do segundo semestre será entre 7 e 10 de julho (antes o período era de 16 a 19 de junho). O edital deve ser divulgado nesta quarta-feira, 17, de acordo com informações do MEC.

Já o prazo do Programa Universidade Para Todos (Prouni) foi alterado para dia 14 de julho. Por fim, o Financiamento Estudantil (Fies) passará a receber solicitações para novas adesões entre os dias 21 e 24 de julho.

Com a suspensão das aulas presenciais nas instituições de ensino públicas e privadas por conta da pandemia do novo coronavírus, acarretando mudanças acadêmicas e administrativas, os calendários dos programas também tiveram que ser adiados, informou o secretário Wagner Vilas Boas Souza.

Sisu EAD

Diferentemente dos anos anteriores, as inscrições para o Sisu relativas ao segundo semestre de 2020 também passarão a valer para cursos a distância oferecidos pelas instituições públicas. A expectativa do MEC é que o número de vagas a distância aumente a cada novo processo seletivo. Na rede particular, o número de vagas nesta modalidade chega a 40% do total.

“Até então as instituições públicas só poderiam oferecer vagas presenciais pelo Sisu. As vagas eventualmente de EAD que as instituições públicas têm elas oferecem nos seus próprios portais, então não é dada muita divulgação. A gente inovou alterando a portaria do Sisu, alterando as regras, para que as instituições, além das vagas presenciais possam ofertar então ensino a distância”, afirma o secretário.

*Com informações do Ministério da Educação