“To be” or “not to be”? Realidade dos professores de inglês no Brasil é questão de relatório internacional

Conteúdo patrocinado

Cerca de 55% do professores de inglês não têm formação específica no idioma
professores inglês

A culpa não é do “verbo to be”. Muitos estudantes na época do ensino básico reclamam do ensino do inglês nas escolas. A explicação é que entre os professores que dão aulas dessa disciplina nas escolas públicas brasileiras, cerca de 55% não têm formação específica no idioma para lecionar a matéria, segundo o Observatório para o Ensino da Língua Inglesa no Brasil, da British Council, organização internacional do Reino Unido.

O levantamento divulgado nesta quarta-feira (02), pela British Council, revela, ainda, que 81% dos professores de inglês reclamam da falta ou da inadequação do material didático.

Este é o primeiro estudo lançado pela British Council no Brasil. A organização atua com o objetivo de reunir dados e evidências para subsidiar políticas públicas e tomadas de decisão no setor. Para isso, realiza a cooperação com países parceiros em áreas como educação, artes e sociedade.

O Observatório da British mostra que 65% dos professores de inglês também são responsáveis por lecionar outras disciplinas nas escolas, além de que 70% são responsáveis por mais de seis turmas por semana.

O Observatório para o Ensino da Língua Inglesa no Brasil faz parte do programa Skills for Prosperity (Habilidades para Prosperidade, em tradução livre) lançado no Brasil, também nesta quarta-feira, que visa aprimorar o ensino de inglês em países em desenvolvimento. Além do Brasil, fazem parte do programa México, Egito, Nigéria, Quênia, África do Sul, Filipinas, Malásia e Indonésia.

*Com informações da Agência Brasil

Fonte: Agência Educa Mais Brasil

Previous ArticleNext Article
[post_explorer post_id="732054" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]