câmara municipal de apucarana
Compartilhar

Acusados de matar fiscal de combustíveis serão ouvidos

Metro Jornal CuritibaA Justiça ouviu ontem cinco testemunhas do assassinato de Fabrízzio Machado da Silva, morto ..

Narley Resende - 19 de setembro de 2017, 08:32

Metro Jornal Curitiba

A Justiça ouviu ontem cinco testemunhas do assassinato de Fabrízzio Machado da Silva, morto a tiros em março deste ano, em Curitiba, quando apurava fraudes em postos de combustíveis.

Hoje, a partir das 13h30, devem ser ouvidas as últimas duas testemunhas de acusação, as testemunhas de defesa e três dos quatro réus: o empresário Onildo Chaves de Cordova, dono de quatro postos de combustível na capital, acusado de ordenar o crime, além de Matheus Guedes e Patrick Leandro

Se não houver tempo de os três falarem hoje, uma nova audiência será marcada. O quarto réu do caso, Jefferson Rocha, está foragido. Os demais estão presos.

“As testemunhas basicamente reforçaram o que já haviam falado na delegacia e reforçam as provas contra os quatro”, afirma o advogado Luiz Roberto Zagonel, assistente de acusação.

À polícia, Onildo e os demais negaram o crime. Os advogados de defesa dos acusados não foram localizados.

O caso

Fabrizzio presidia a ABCFC (Associação Brasileira de Combate a Fraudes de Combustíveis). Ele foi morto a tiros no dia 23 de março quando chegava em casa, no bairro Capão da Imbuia. Nos dias anteriores ao crime, ele ajudava um programa de televisão a produzir uma reportagem sobre fraudes em bombas de abastecimento.

O homicídio ocorreu uma semana antes da Operação Pane Seca, da Polícia Civil. Os policiais revelaram um dispositivo que donos de postos instalavam nas bombas para que elas liberassem até 10% a menos de combustível do que o equipamento indicava.

Na noite do homicídio, Fabrizzio chegou em casa de carro, por volta das 22h. Enquanto ele manobrava para entrar na garagem, um veículo Sandero vermelho bateu na traseira, e o fiscal foi baleado assim que desceu do carro.

Na investigação, a Polícia afirmou que Onildo Cordova pagou R$ 21 mil para que Patrick Leandro executasse o homicídio. Leandro, então, teria falado como caminhoneiro Jefferson Rocha, que indicou Matheus Guedes para fornecer a arma e participar da execução. O grupo foi preso no dia 30 de abril.