câmara municipal de apucarana
Compartilhar

Corpo de Bombeiros mantém as buscas por criança desaparecida em Cerro Azul

Da BandNews FM CuritibaO Corpo de Bombeiros mantém as buscas pelo menino que desapareceu, na manhã desta terça-feira (20..

Francielly Azevedo - 21 de junho de 2017, 15:33

Da BandNews FM Curitiba

O Corpo de Bombeiros mantém as buscas pelo menino que desapareceu, na manhã desta terça-feira (20), da casa onde mora com a família em Cerro Azul, na Grande Curitiba. O sumiço não demorou a ser percebido, mas, por enquanto, não há pistas do paradeiro de Brayan Raab Fonseca, de menos de dois anos de idade.

Uma das hipóteses é a de que a criança tenha caído no rio Ribeira, que passa a poucos metros do local. O garoto vive com os pais em um sítio que fica na Estrada da Freguesia e, no momento do desaparecimento, o portão estava aberto.

"Conversando com os pais da criança, eles disseram que tem um portão que divide o terreno da casa, que passa para o rio e que esse portão estava aberto. E tudo indica, porque o pai e um parente da família viram marquinhas da criança indo para o rio. O menino brincava com um cachorrinho e esse animal, provavelmente, tenha ido para o lado do rio e a criança tenha escorregado e caído na água", explica a delegada Iara Dechiche, do Sicride, o Serviço de Investigação de Crianças Desaparecidas.

Caso o menino tenha mesmo caído no rio, são pequenas as chances de ele ser resgatado com vida. As buscas são realizadas pelo Gost, o Grupo de Operações e Socorro Tático, do Corpo de Bombeiros.

Equipes da Defesa Civil do município ajudam no trabalho, e a informação repassada pelo órgão é a de que a varredura de hoje (quarta, 21) é realizada no mesmo ponto do rio que começou a ser vasculhado ontem, quando ainda chovia e o nível do Ribeira estava mais alto. Ninguém quis gravar entrevista e não foi possível localizar o oficial do Corpo de Bombeiros responsável pela operação.

Em fevereiro do ano passado, uma menina de um ano e meio de idade morreu ao cair nesse mesmo rio. Yasmim Mangger Souza ficou desaparecida por três dias depois de ser vista brincando no quintal de casa. O corpo foi encontrado na água, em um ponto mais afastado do imóvel da família.

 

Caso parecido

Outro caso emblemático e parecido com o de Brayan é o do menino João Rafael Kovalski, que morava em Adrianópolis, ainda na região da capital, e sumiu em agosto de 2013. Ele tinha dois anos de idade na época e desapareceu enquanto brincava às margens do mesmo rio Ribeira, que também corta o município. Até hoje, a família acredita que ele foi sequestrado, mas, outra hipótese é a de que ele possa ter caído na água. O garoto nunca foi encontrado.

Quem tiver qualquer informação sobre o caso pode entrar em contato com o Sicride pelo telefone 3883-8351.