Política
Compartilhar

469 mil contratos do Bolsa Família são cancelados por irregularidades cadastrais

Um cruzamento de dados de beneficiários do programa Bolsa Família levou ao corte de 469 mil contratos e suspensão de 654..

Andreza Rossini - 07 de novembro de 2016, 16:11

Um cruzamento de dados de beneficiários do programa Bolsa Família levou ao corte de 469 mil contratos e suspensão de 654 mil, por subdeclaração de renda, de acordo com o Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário (MDSA),

Aproximadamente 13 mil famílias foram identificadas como doadoras de campanha eleitoral neste ano. Elas tiveram os repasses bloqueados em outubro. O cruzamento de dados com as informações do Superior Tribunal de Justiça (STJ) revelou indícios de inconsistência entre as doações eleitorais feitas por 16 mil beneficiários e a renda declarada por eles. Ao determinar o bloqueio dos repasses, o Ministério constatou que, do total verificado, cerca de 3 mil famílias já haviam tido o benefício cancelado por não se enquadrarem mais nas regras, o que reduziu o número de convocados na atualização cadastral para 13 mil.

BF_bloqueadoSegundo a coordenadora-geral de Administração de Benefícios da Secretaria Nacional de Renda de Cidadania (Senarc) do MDSA, Caroline Paranayba, os benefícios foram bloqueados em todo país para que as pessoas compareçam ao setor responsável pelo Bolsa Família e pelo Cadastro Único nos municípios e esclareçam as informações.

“Os beneficiários do Bolsa Família podem fazer doações a campanhas eleitorais. O que nós queremos confirmar é se a renda que a família declarou no Cadastro Único está coerente com o valor da doação e se, de fato, a família fez a doação registrada no TSE, pois há indícios de uso indevido do CPF das famílias do programa”, explica a coordenadora.

As famílias foram informadas por mensagem de texto e tem o prazo de seis meses para fazer a atualização cadastral.

Segundo o Ministério, estudos já realizados nos últimos quatro meses apontam impacto econômico de R$ 2,4 bilhões ao ano na folha de pagamentos.

O Bolsa Família é voltado para famílias extremamente pobres (renda per capita mensal de até R$ 85) e pobres (renda per capita mensal entre R$ 85,01 e R$ 170). Ao entrarem no programa, as famílias recebem o benefício mensalmente e, como contrapartida, cumprem compromissos nas áreas de saúde e educação. O valor repassado a cada família depende de fatores como o número de membros, a idade de cada um e a renda declarada no Cadastro Único.

A partir de agora, o "pente-fino" deve ser realizado mensalmente.