Moro marca depoimento de Cunha após perícia em celular

Mariana Ohde

A decisão foi tomada após uma perícia confirmar a autenticidade de mensagens encontradas no celular dele.

O juiz Sérgio Moro marcou para 14 de setembro, às 14h, uma audiência com o ex-deputado Eduardo Cunha. O depoimento será prestado presencialmente, conforme determina o despacho dessa segunda-feira (23). A decisão foi tomada após uma perícia confirmar a autenticidade de mensagens encontradas no celular dele em que eram negociados favorecimentos e abordados outros assuntos com polítocos e parlamentares.

“Tendo em vista que faltava apenas a perícia para término da instrução, cumpre designar data para o interrogatório dos acusados”, diz o juiz federal, em despacho.

Neste processo, o ex-presidente da Câmara dos Deputados, que já foi condenado na Operação Lava Jato, é acusado de receber propina em contratos com a Petrobras para o fornecimento de navios-sonda. Ele foi denunciado por corrupção e lavagem de dinheiro pelo Ministério Público Federal (MPF). Também foi denunciada a ex-deputada e ex-prefeita de Rio Bonito (RJ), Solange Pereira de Almeida.

Segundo o MPF, Cunha teria solicitado para ele e outras pessoas propina no valor de US$ 15 milhões para a contratação dos navios-sondas Petrobras 10.000 e Vitória 10.000. Os crimes teriam acontecido entre junho de 2006 e outubro de 2012. Solange também teria pressionado o pagamento por meio de dois requerimentos à Comissão de Fiscalização Financeira e Controle da Câmara dos Deputados (CFFC).

Atualmente, Cunha está preso no Complexo Médico-Penal de Pinhais, na região metropolitana de Curitiba.

Perícia

O Instituto Nacional de Criminalística confirmou, no dia 19 de julho, a autenticidade de conversas de Cunha com parlamentares e empresários sobre favorecimentos, votações e encontros. Entre as conversas periciadas estão assuntos tratados com André Vargas, João Augusto Rezende Henriques, Fernando Baiano, Hugo Mota, Geddel Vieira Lima e outros nomes conhecidos pela Lava Jato.

“Todas as mensagens periciadas estavam armazenadas no aparelho celular objeto da perícia. As mensagens armazenadas no aplicativo BBM (BlackBerry Messenger) são aquelas nas quais constam o PIN e o nome do contato. As demais mensagens de texto estavam armazenadas no aplicativo de SMS. Nesses mensagens consta a informação do número de telefone de origem ou destino”, garante o laudo.

Previous ArticleNext Article
Mariana Ohde
Repórter no Paraná Portal