Justiça autoriza quebra de sigilo de postagem de Cida no Facebook

Mariana Ohde

Por supostas irregularidades em uma postagem patrocinada.

A Justiça Eleitoral determinou a quebra de sigilo de uma publicação da página da governadora Cida Borghetti (PP) no Facebook após a suposta veiculação de conteúdo patrocinado, que estaria em desacordo com a legislação eleitoral.

O pedido foi feito pela coligação Paraná Inovador e Ratinho Jr. A decisão é do juiz eleitoral Tito Campos de Paula.

Entre os principais pontos questionados estão a falta de transparência em relação ao pagamento da campanha, que não informa CPF ou CNPJ do responsável pelo impulsionamento, e a falta de identificação da postagem como propaganda eleitoral, o que é exigido por lei.

O conteúdo teria sido veiculado no dia 22 de agosto e, no dia 23, não estava mais disponível. Porém, segundo o juiz, há “indícios de descumprimento dos requisitos para impulsionamento de conteúdos eleitorais”.

“Com efeito, nos prints acostados à inicial, datados de 22/08/2018, não se verifica as informações obrigatórias em quaisquer das telas em que se vê a expressão “Patrocinado”, quais sejam: a informação de que se trata de Propaganda Eleitoral e a inscrição do CPF ou CNPJ do responsável pelo impulsionamento”, afirma o magistrado.

Porém, segundo a decisão, os prints mostram apenas a página da governadora e não há imagens da publicação na timeline de usuários que poderiam ter sido alcançados pelo conteúdo patrocinado.

Com isso, o juiz classifica como “salutar e relevante para a instrução do feito que o Facebook preste informações”sobre o suposto impulsionamento, pois, se comprovada, a irregularidade pode gerar multa.

Decisão

Diante dos indícios, o juiz determinou apenas a quebra do sigilo de dados de impulsionamentos/conteúdos patrocinados relativos à página de Cida no período de 16 a 22 de agosto. A empresa tem dois dias para atender a decisão, sob pena de multa diária de R$ 10 mil.

O juiz, no entanto, negou a concessão da tutela inibitória, também solicitada. Ela impediria Cida, o vice da chapa, Sérgio Malucelli e a Coligação Paraná Decide de realizar impulsionamentos de propaganda eleitoral sem a forma exigida pela lei. Segundo o magistrado, ainda faltam provas para essa concessão. “O requerimento de concessão de tutela inibitória será apreciado somente após o recebimento das informações a serem prestadas pela empresa Facebook Serviços Online do Brasil LTDA”, informa a decisão.

Legislação

Segundo a Resolução-TSE nº 23.551/2017, é vedada a veiculação de propaganda eleitoral paga na internet, com exceção do conteúdo patrocinado, quando identificado e contratado exclusivamente por partidos políticos, coligações e candidatos e seus representantes.

A lei também estabelece que todo impulsionamento deve conter o CNPJ ou CPF do responsável, além da expressão “Propaganda Eleitoral”.

Outro lado

Em nota, o Comitê Jurídico da Coligação Paraná Decide informa que a governadora realiza todos os impulsionamentos conforme determina a legislação eleitoral.

“Não houve ‘quebra de sigilo da página’. Apenas o juiz determinou que o Facebook informe os dados referentes ao impulsionamento de uma única publicação e preste informações sobre o pagamento do impulsionamento dessa publicação. A requisição de tais informações pela Justiça Eleitoral é absolutamente normal e corriqueiro. A coligação, tão logo citada, se manifestará no processo”, diz, também, a nota.

Previous ArticleNext Article
Repórter no Paraná Portal
[post_explorer post_id="548060" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]