Política
Compartilhar

Apoiadores de Ratinho e Bolsonaro representam metade da Alep

Dadas as composições partidárias, a história da Casa e o resultado das urnas, Ratinho Junior (PSD) não deve ter dificuld..

Metro Jornal Curitiba - 15 de outubro de 2018, 08:57

Foto: Nani Gois / Alep
Foto: Nani Gois / Alep

Dadas as composições partidárias, a história da Casa e o resultado das urnas, Ratinho Junior (PSD) não deve ter dificuldade para formar uma maioria para seu governo na Assembleia Legislativa do Paraná.

Dos 54 deputados estaduais eleitos, a exata metade, 27, já é da sua coligação ou de aliados do PSL – cuja bancada de oito nomes foi formada pela votação recorde de Delegado Francischini.

Com 427 mil votos, Francischini também é coordenador de campanha de Jair Bolsonaro. Eleito, ele disse que a relação com Ratinho é “muito próxima” e que por isso a tendência é que o PSL apoie mesmo o governo.

“Lógico que, até por respeito, vamos ouvir os nossos deputados”, ponderou. Se essa aliança for selada, uma maioria simples para Ratinho pode vir de deputados que, apesar de ter estado formalmente com Cida, já estiveram próximos de Ratinho na campanha – é o caso, por exemplo, de Ademar Traiano, atual presidente da Casa, e de Plauto (DEM), primeiro secretário. Além destes, a bancada de cinco nomes do PSB tem representantes influentes, como Luiz Claudio Romanelli e Alexandre Curi, e pode aderir.

O PSB terá uma reunião hoje para tratar do tema, mas a bancada já tem uma proposta para a composição da Mesa Diretora – com Romanelli indicado para a presidência da Casa. “Não temos nenhuma negociação oficial com o Ratinho, por enquanto é assunto do PSB”, diz o deputado reeleito.

Novatos

Na nova composição da Assembleia, 20 dos 54 deputados vão cumprir seu 1º mandato. Ao Metro Jornal, o governador eleito elogiou as novidades e disse que terá uma boa relação com a Casa: “até porque eu já fui deputado tenho um relacionamento.

Eles são flexíveis e essa renovação ajuda no diálogo”, aposta. O governador não declina nomes, mas o deputado Guto Silva (PSD), um dos mais próximos a ele, é cotado para assumir um cargo importante na Casa – ou uma secretaria.

Oposição

Entre aqueles que tendem a se opor ao governo, não deve haver mudança em relação à atual legislatura, cuja bancada conta com oito representantes. O PT, que tinha três deputados, agora terá 4.

Ao partido devem se somar os deputados do MDB, sob influência de Roberto Requião, além dos pedetistas -– cujo estreante Goura chegou prometendo fiscalizar o Executivo.