Política
Compartilhar

Paraná reduz e congela base de cálculo do ICMS do diesel

A governadora Cida Borghetti anunciou neste domingo (27) a diminuição e o congelamento da base de cálculo do ICMS que in..

Redação - 28 de maio de 2018, 06:32

Foto: Fernando Frazão / Agência Brasil
Foto: Fernando Frazão / Agência Brasil

A governadora Cida Borghetti anunciou neste domingo (27) a diminuição e o congelamento da base de cálculo do ICMS que incide sobre o óleo diesel. A partir de 01 de junho a base para calcular o imposto será R$ 2,95 e o valor valerá por 90 dias. A redução é de R$ 0,25 sobre a base atual e deve representar uma queda de aproximadamente R$ 0,04 sobre o preço do combustível na bomba.

A decisão foi comunicada durante reunião com líderes empresariais e lideranças do movimento dos caminhoneiros do Paraná, no Palácio Iguaçu. “Queremos minimizar os impactos da paralisação”, destacou ela. “Estamos num momento de reflexão e de entendimento”.

Em reunião prévia com caminhoneiros, a governadora destacou a disposição para o diálogo. “Estamos todos do mesmo lado, mas não podemos cometer nenhuma irresponsabilidade”, afirmou.

Cida agradeceu o empenho do movimento na liberação de produtos essenciais para o funcionamento dos serviços públicos, principalmente de segurança e saúde. Ela solicitou que gêneros de primeira necessidade, como o gás de cozinha, suprimentos e gases específicos para hospitais, medicamentos de uso contínuo e alimentos, além de caminhões de lixo, também não sejam bloqueados.

Para Plínio Dias, presidente do Sindicato dos Caminhoneiros de São José dos Pinhais, a reunião foi muito produtiva. “Nós já fizemos a liberação dos itens solicitados pelo governo e, também, estamos liberando agora o gás de cozinha, o lixo”, afirmou ele.

“Os caminhões que passarem pelos pontos de manifestação serão respeitados, conforme acordo com o Estado. Sabemos que esses itens são necessários para atender à população e vamos respeitar”, destacou.

O presidente da Ocepar, José Roberto Ricken, afirmou que o setor produtivo compreende e considera as manifestações legítimas, mas está apreensivo com a continuidade da greve.

“No que depender do setor produtivo estamos juntos para buscar soluções”, afirmou. Ele, assim, como o presidente da Federação das Indústrias do Estado do Paraná (Fiep), Edson Campagnolo, pediu que as lideranças dos caminhoneiros considerassem uma trégua na paralisação. "Existe um bom senso, pelo menos até aqui entre os dois lados e isso deve ser enaltecido”, declarou Edson Campagnolo.

A governadora também anunciou linhas de crédito com juros mais baixos para a compra de caminhões e de insumos para veículos pesados. Os financiamentos serão disponibilizados pela Fomento Paraná e Banco Regional de Desenvolvimento Econômico (BRDE). Outra medida foi a suspensão de voos de autoridades em aeronaves do Estado. Os aviões ficarão à disposição para transporte de órgãos e pacientes.

O coronel, Maurício Tortato, chefe da Casa Militar fez um breve relato do trabalho da Defesa Civil do Paraná a partir do acordo construído com os manifestantes para a liberação das cargas prioritárias nas rodovias paranaenses. Segundo ele, a medida de aplicar adesivos de identificação da Defesa Civil nos caminhões com carga prioritária deve ser estendida para outros estados do Sul. “Os caminhoneiros que estão nas barreiras estão respeitando o uso dos adesivos. Inclusive, estamos conversando com os Estados do Codesul para que haja uma uniformização de protocolos. Essa ideia dos adesivos foi pioneira e está avançando para outros Estados”, afirmou.