Ex-deputado Rossoni se torna réu na Operação Quadro Negro

Mariana Ohde e Lenise Aubrift Klenk - BandNews FM Curitiba


O ex-deputado estadual e federal Valdir Rossoni (PSDB) se tornou réu na Operação Quadro Negro nesta quarta-feira (17), por improbidade administrativa. A operação investiga o desvio de cerca de R$ 20 milhões que seriam destinados à construção e à reforma de escolas públicas no estado.

A decisão é do dia 9 de abril. A denúncia do Ministério Público do Paraná (MP-PR) foi aceita pelo juiz Luis Mauro Lindenmeyer Eche, da Comarca de União da Vitória.

O deputado é acusado de receber R$ 689.519,49 da construtora em sete licitações para construção de escolas em Bituruna, no Sul do Paraná, quando seu filho, Rodrigo Rossoni, era prefeito da cidade, em 2011. O pagamento teria sido feito pela construtora Valor em troca de favorecimentos políticos.

Segundo a decisão, “Eduardo Lopes de Souza, ao ser indagado se Valdir Luiz Rossoni tinha conhecimento do esquema criminoso, afirmou que alguns pagamentos eram utilizados para pagar despesas pessoais de Valdir Luiz Rossoni, como, por exemplo, o piloto do avião particular do então deputado. Afora isso, que vários pagamentos eram realizados na própria Assembleia Legislativa no gabinete dos assessores de Valdir Rossoni”.

As investigações da Quadro Negro apontam que estas negociações ajudaram a Valor a construir um acervo de obras para poder concorrer em licitações no âmbito estadual. Segundo a denúncia, a construtora nem sequer preenchia os requisitos técnicos para vencer as licitações em Bituruna e não teve concorrentes em nenhuma delas.

O pedido para que Rossoni fosse incluído nos processos foi feito por conta de informações obtidas nas delações de Eduardo Lopes de Souza, dono da Valor. Segundo o delator, o pagamento da propina foi negociado com Gerson Nunes da Silva, assessor de Rossoni na Assembleia Legislativa do Paraná (Alep), que também é réu.

A defesa de Rossoni afirmou, em entrevista à rádio BandNews FM Curitiba, que vai recorrer. Segundo o advogado José Cid Campêlo, devem ser apresentados dois recursos. Ele afirmou, ainda, que Rossoni nunca receceu propina e não tem relação com o caso investigado.

Previous ArticleNext Article
Mariana Ohde
Repórter no Paraná Portal