“Abuso de poder” diz Fruet sobre repasses; Richa diz que prefeito está “ressentido” com derrota

Fernando Garcel


Narley Resende, Fernando Garcel e Roger Pereira

Após a reunião com o prefeito eleito Rafael Greca (PMN) na manhã desta quinta-feira (3), o atual prefeito de Curitiba, Gustavo Fruet (PDT), declarou estar indignado com a posição tomada pelo governador Beto Richa (PSDB). De acordo com Fruet, o governador  atrasou repasses financeiros sistematicamente em uma “demonstração de abuso de poder”.

“Agora a cidade pode entender por que o governo do estado atrasou sistematicamente repasses de recursos para a Saúde e compra de remédios; por que o governo do estado interrompeu todos os projetos de pavimentação; o por que do governo do estado não liberou um financiamento novo solicitado a partir de 2013; por que não pagou a dívida da Copa do Mundo. A população agora sabe a atitude tomada pelo governador em uma demonstração de abuso de poder em um ato deliberado que, a pretexto de provocar um resultado eleitoral, prejudicou milhares de moradores de Curitiba e região metropolitana”, declarou Fruet.

[insertmedia id=”A5QWg_MNKdM”]

O anúncio da reintegração do transporte coletivo de Curitiba com municípios da Região Metropolitana (RMC) foi dado pelo governador Beto Richa um dia após a eleição de seu aliado Rafael Greca (PMN) para a prefeitura de Curitiba. O subsídio anual ao sistema de transporte da capital, necessário para a manutenção da integração com a RMC foi cortado no início de 2013, depois da posse de Gustavo Fruet (PDT) que derrotou, na eleição municipal, o candidato apoiado por Richa, o ex-prefeito Luciano Ducci (PSB). Em 2012, último ano de repasse, a prefeitura recebeu R$ 64 milhões do estado para atender aos usuários da Região Metropolitana.

Em 2015, diante do impasse acerca dos valores necessários para a manutenção da integração, o acordo que permitia ao morador dos municípios no entorno da capital chegarem ao centro ou aos bairros de Curitiba mediante o pagamento de uma única passagem, foi desfeito.

Depois da reunião com Gustavo Fruet, Rafael Greca foi ao Pálacio Iguaçu, sede do governo do Estado, para ter a primeira discussão sobre o subsídio do transporte coletivo. Em coletiva de imprensa, o governador Beto Richa se defendeu das acusações.

De acordo com Richa, no caso dos repasses para hospitais, Fruet se atrapalhou com os repasses por conta do fechamento das contas públicas. “Um pouco antes de começar o período eleitoral, eu liberei quase R$ 38 milhões para os 10 maiores hospitais de Curitiba. Conhecendo o comportamento dele, chamei os 10 hospitais aqui para presenciar o que eu estava fazendo. A gente sabe que ele está com dificuldades para fechar as contas do município e ele vai empurrando com a barriga os problemas da prefeitura”, disse.

[insertmedia id=”asaJ2DhQMoQ”]

Previous ArticleNext Article
[post_explorer post_id="395285" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]