Política
Compartilhar

Advogada do impeachment diz que voto de Barbosa é incongruente

Acompanhada das irmãs, a deputada eleita Janaina Paschoal (PSL) votou na universidade Anhembi Morumbi, na avenida Paulis..

Eduardo Moura - Folhapress - 28 de outubro de 2018, 12:41

Sessão deliberativa extraordinária para votar a Denúncia 1/2016, que trata do julgamento do processo de impeachment da presidente afastada Dilma Roussefff por suposto crime de responsabilidade.Em pronucniamento, jusrista Janaína Paschoal.Foto: Pedro França/Agência Senado
Sessão deliberativa extraordinária para votar a Denúncia 1/2016, que trata do julgamento do processo de impeachment da presidente afastada Dilma Roussefff por suposto crime de responsabilidade.Em pronucniamento, jusrista Janaína Paschoal.Foto: Pedro França/Agência Senado

Acompanhada das irmãs, a deputada eleita Janaina Paschoal (PSL) votou na universidade Anhembi Morumbi, na avenida Paulista, às 11h da manhã. Ao chegar à seção, cumprimentou apoiadores, amigos e uma "colega de pilates". Não quis revelar seu voto para o governo de São Paulo. Disse que "nem minha família sabe".

Sobre as recentes operações policiais ocorridas em universidade, Paschoal evitou dar uma opinião genérica e disse que "como advogada, tenho que ver os documentos, ver a decisão e estudar caso a caso".

Porém, segundo ela "liberdade já não existe há muito tempo dentro das universidades", diz a professora da USP. "Os alunos que pensam diferente da vertente esquerdista são muito massacrados dentro da universidade brasileira. Os professores que são um pouco mais críticos dessa leitura esquerdista são muito perseguidos, podados."

Quanto ao posicionamento do ex-presidente do STF Joaquim Barbosa, a advogada diz ver uma contradição. Segundo ela, Barbosa é conhecido por ser o "mentor" do processo do mensalão. "Todo petista, sem exceção, diz que o processo foi uma farsa, não foi jurídico, foi político", diz.

"Embora seja direito dele declarar voto em quem ele quiser, é um pouco incongruente ele estar apoiando um grupo que trata o grande trabalho da vida dele como farsa", diz Paschoal.