Comissão da Alep ouve suspeitos de furar fila da vacina contra Covid-19 em Rio Branco do Sul

BandNews FM Curitiba

vacinas covid-19 trabalhadores educação

Os suspeitos de terem furado a fila da vacinação contra a Covid-19 em Rio Branco do Sul, na Região Metropolitana de Curitiba, deram explicações à Comissão Especial da Assembleia Legislativa do Paraná. Nesta terça-feira (11), donos de clínicas, familiares e pessoas suspeitas de terem recebido a vacina sem integrarem os grupos prioritários prestaram depoimentos. Todos negaram irregularidades.

Os nomes dos ouvidos pelos parlamentares fazem parte de uma lista encaminhada pela própria prefeita da cidade, Karime Fayad, ao Ministério Público do Estado (MP-PR). Uma dentista, dona de uma clínica odontológica, justificou a inclusão dos pais na lista afirmando que eles trabalham na empresa, descrita pela profissional como “familiar”.

Já uma mulher de 34 anos, também vacinada, disse que estava trabalhando em um laboratório da área da saúde durante o período em que recebeu uma dose do imunizante. Uma terceira suspeita, que incluiu na lista de vacinação um adolescente de 17 anos, preferiu não prestar depoimento. A informação é de que ele era estagiário no estabelecimento.

Segundo a prefeita Karime Fayad, o município não tem um plano de vacinação local e, por isso, segue as determinações do Plano Estadual de Imunização. Ela admite que a prefeitura poderia ter adotado processos de fiscalização mais rígidos, mas destaca a dificuldade em comprovar a veracidade das informações prestadas pelas clínicas.

A Comissão Especial da Assembleia encaminhou requerimentos pedindo informações a órgãos de controle para checar dados que indiquem possíveis irregularidades.

Previous ArticleNext Article
Avatar
em 20 minutos tudo pode mudar
[post_explorer post_id="763554" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]