Bolsonaro diz que desemprego é maior que o registrado pelo IBGE

Folhapress


Por Gustavo Uribe, Talita Fernandes e Mariana Carneiro

No dia em que foi divulgado que a taxa de subutilização da força de trabalho bateu recorde, o presidente Jair Bolsonaro voltou a questionar nesta terça-feira (30) a metodologia adotada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) e disse acreditar que a taxa de desemprego no país é maior do que a divulgada.

Em discurso, durante evento no Palácio do Planalto, ele afirmou que acha que o número atual de pessoas sem emprego no país é superior a 12 milhões. A pesquisa divulgada nesta terça mostrou que, ao todo, 13,4 milhões de brasileiros procuravam emprego no primeiro trimestre.

“Se fala em 12 milhões de desempregados. Sim, eu acho que é muito mais que isso. Desculpe o IBGE, mas eu acho que é muito mais do que isso. Não vou polemizar novamente”, disse.

Mais tarde, em entrevista à imprensa, ele ressaltou que não pretende entrar em nova briga com o IBGE. Em novembro, sem ainda ter assumido o cargo, o presidente chamou a pesquisa de “farsa” por considerar como empregadas pessoas que de fato não estariam ocupadas.

“Não vou entrar em briga com o IBGE, mas acho que a metodologia poderia ser aperfeiçoada, com todo respeito que a gente tem com o trabalho do IBGE”, afirmou nesta terça.

Segundo o IBGE, a taxa de subutilização da força de trabalho brasileira chegou a 25% no primeiro trimestre de 2019. Isso significa que 28,3 milhões de brasileiros não trabalharam ou trabalharam menos do que gostariam no período.

É o maior índice desde o início da série histórica da Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio) Contínua, iniciada em 2012. Na comparação com o trimestre encerrado em dezembro, houve alta de 5,6%, ou 1,5 milhão de pessoas.

No primeiro trimestre sob o governo Bolsonaro, a taxa de desemprego no país foi de 12,7%, alta de 10,2% com relação ao trimestre encerrado em dezembro. Nos últimos três meses, 1,2 milhão de pessoas a mais passaram a procurar emprego no país.

O número de empregados com carteira assinada no país permanece estável por quatro trimestres, em torno de 33 milhões de pessoas. A última vez em que houve crescimento no número de empregados com carteira na comparação com o trimestre anterior foi no segundo trimestre de 2014.

Previous ArticleNext Article
[post_explorer post_id="616762" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]