Política
Compartilhar

Bolsonaro torna sem efeito admissão de Santini

O presidente Jair Bolsonaro informou, nesta quinta-feira (30), que a admissão de José Vicente Santini estará anulada no ..

Redação - 30 de janeiro de 2020, 07:46

Reprodução / Twitter
Reprodução / Twitter

O presidente Jair Bolsonaro informou, nesta quinta-feira (30), que a admissão de José Vicente Santini estará anulada no Diário Oficial. Até ontem, a informação era que o ex-secretário, destituído na terça-feira (28), seria nomeado como assessor especial da Secretaria Especial de Relacionamento Externo da Casa Civil. A decisão teria sido tomada após os filhos de Bolsonaro entrarem nas conversas pela permanência do amigo da família no governo federal.

Além disso, Bolsonaro também disse que vai passar o PPI (Programa de Parcerias de Investimentos) da Casa Civil para o Ministério da Economia.

https://twitter.com/jairbolsonaro/status/1222826244913364997

Santini foi destituído por Bolsonaro após ter utilizado um jatinho da FAB (Força Aérea Brasileira) para fazer viagens para a Índia e Suíça em comitivas do governo. Ele justificou que estava na condição de ministro, já que o Chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, está de férias.

Contudo, a medida revoltou o presidente Bolsonaro, que classificou a atitude como 'inadmissível'.

"Já está destituído da função de executivo do Onyx . Destituído por mim. Vou conversar com Onyx para decidir quais outras medidas podem ser tomadas contra ele. É inadmissível o que aconteceu, ponto final".

Apesar disso, Bolsonaro não criminalizou o ato de Santini e também não descartou a possibilidade do ex-secretário ocupar outra função no governo.

"O que ele fez não é ilegal, mas é completamente imoral. A explicação que chegou no primeiro momento: 'ele teve de participar de reunião de ministros por isso…' Essa não, essa desculpa não vale. O cargo de executivo da Casa Civil já está perdido. Outras coisas virão depois de eu conversar com Onyx", completou.

Caso a nova nomeação fosse confirmada, Santini receberia um salário de R$ 16.944,90, segundo a Folha de S. Paulo. Antes, na função de 'ministro 2', Santini recebia rendimentos de R$ 17.327,65 mensais. Ou seja, o valor seria aproximadamente R$ 380 menor do que o da função anterior.