Política
Compartilhar

Bolsonaro convoca reunião de emergência para discutir crise na Venezuela

por Talita Fernandes, Gustavo Uribe e Ricardo Della Coletta Em meio aos registros de violência na fronteira ..

Folhapress - 22 de fevereiro de 2019, 17:27

(Foto: Jales Valquer/FramePhoto/Folhapress)
(Foto: Jales Valquer/FramePhoto/Folhapress)

por Talita Fernandes, Gustavo Uribe e Ricardo Della Coletta

 

Em meio aos registros de violência na fronteira do Brasil com a Venezuela, o presidente Jair Bolsonaro convocou uma reunião de emergência no Palácio do Planalto para tratar da crise na região.

Na manhã desta sexta-feira (22), militares venezuelanos abriram fogo contra um grupo de civis que tentava ajudar a manter aberta a fronteira da Venezuela com o Brasil um dia depois de o ditador Nicolás Maduro ter anunciado o fechamento da divisa entre os dois países. Ao menos duas pessoas morreram nos conflitos desta sexta.

A decisão de Maduro ocorre em meio à tentativa de envio de ajuda humanitária do Brasil e da Colômbia ao país vizinho com coordenação dos EUA. Os primeiros suprimentos –alimentos e medicamentos– chegam nesta sexta na região fronteiriça.

Mesmo com a decisão de fechamento da fronteira, o governo brasileiro decidiu manter a programação de enviar ajuda à região.

O líder opositor Juan Guaidó, reconhecido por 50 países (incluindo o Brasil) como presidente interino da Venezuela, se comprometeu a fazer chegar "de uma forma ou de outra" a ajuda humanitária ao país a partir de diversos pontos na fronteira, neste sábado (23).

Estão reunidos no Planalto, além de Bolsonaro, representantes de dez ministérios, o chefe do Estado-Maior do Conjunto das Forças Armadas, Tenente-Brigadeiro do Ar, Raul Botelho. O governador de Roraima, Antonio Denarium, participa por videoconferência.

O governo vai enviar uma comitiva no fim de semana à Colômbia, onde o Grupo de Lima se reunirá na segunda-feira (25) para discutir a situação da Venezuela.

O Brasil será representado pelo vice-presidente, general Hamilton Mourão e pelo chanceler, Ernesto Araújo, que já está no país.

Criado em 2017, na capital do Peru, o Grupo de Lima é formado por chanceleres de 14 países das Américas -apenas o México não reconhece Guaidó como presidente interino da Venezuela.

O governo federal vai manter um gabinete de crise para acompanhar a situação da fronteira, e Bolsonaro se reunirá com Mourão no domingo (24), antes do embarque do vice para a Colômbia.

O confronto desta sexta ocorreu em uma vila de Kumarakapay, na Venezuela, que fica ao lado de uma estrada. Um grupo indígena tentou parar um comboio militar que se dirigia à fronteira com o Brasil, em um dos pontos onde o governo Maduro pretende barrar a entrada de ajuda humanitária.

Os soldados entraram na vila, abriram fogo contra as pessoas, liberaram o caminho e seguiram em frente.

Apesar do bloqueio, duas ambulâncias venezuelanas cruzaram a fronteira brasileira para levar cinco feridos a um hospital de Roraima.

"Neste momento, cinco pacientes venezuelanos estão sendo atendidos no Hospital Geral de Roraima. Todos foram feridos por arma de fogo", disse a Secretaria Estadual de Saúde, em nota.

Após o ataque, ao menos 30 moradores dos arredores da vila sequestraram três funcionários do governo. Segundo Tamara Suju, advogada e defensora dos Direitos Humanos, eles só serão liberados pelos indígenas caso o ministro da Defesa da Venezuela, Padrino López, vá buscá-los pessoalmente.

Os ativistas que fizeram o bloqueio pertencem ao grupo indígena Pemones, que se uniu ao esforço da oposição venezuelana para ajudar a receber a ajuda humanitária enviada pelos EUA.