Cache mostra vídeos de Marx e Nietzsche na página do Ines em janeiro

Fernando Garcel e Andreza Rossini


O Ministério da Educação (MEC) se enganou ao publicar nota em que afirma que a apuração preliminar apontou que os vídeos sobre pensadores como Karl Marx, Friedrich Nietzsche e ligadas ao feminismo,  foram retirados da página do Instituto Nacional de Educação de Surdos (Ines), entre abril e novembro de 2018.

Dados do Google Cache – cópia das páginas de sites na internet rastreadas por seu robô do Google, armazenadas em seus servidores – mostram a exibição de um vídeo de Karl Marx no site do Ines, em 2 de janeiro de 2019. Um vídeo sobre feminismo aparece nos dados do Cache com a mesma data.

Já o vídeo de Nietzsche aparece com data de 1 de janeiro.

A nota já se envolveu em polêmica devido aos erros de português e “teoria da conspiração”.   A publicação foi feita na página do Facebook do MEC, na noite de quarta-feira (30).

O MEC se pronunciou em resposta ao jornalista Ancelmo Gois, do O Globo, que denunciou em seu blog, o desaparecimento dos vídeos.

Um vídeo sobre Marilena Chauí aparece com a data de novembro. Veja:

Veja a íntegra da nota divulgada pelo MEC:

 

 

Previous ArticleNext Article
[post_explorer post_id="590711" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]