Cepa amazônica causou 30% das mortes pela Covid-19 no Paraná, diz Beto Preto

Mirian Villa e Jorge de Sousa

Cepa amazônica causou 30% das mortes pela Covid-19 no Paraná, diz Beto Preto

O secretário de estado da Saúde, Beto Preto, participou de sessão plenária na Assembleia Legislativa do Paraná nesta segunda-feira (8) e afirmou que a chegada da cepa amazônica provocou 30% das mortes totais pela Covid-19 nos municípios paranaenses.

“Existe sim no Paraná de maneira comunitária a presença da cepa Amazônica P1, que é mais contagiosa, mais rápida e faz a evolução da doença acontecer de maneira mais objetiva”, explicou Beto Preto aos deputados estaduais.

Os principais impactos da cepa amazônica são a rapidez na evolução da doença nos pacientes e também a maior velocidade no contágio do vírus.

“Isso faz com que as pessoas possam se curar mais rápido e piorar mais rápido. Antes o paciente ficava 12 dias e agora está ficando quase 14 dias em média. Do dia 10 de fevereiro para cá nós tivemos essa explosão de casos e essa explosão é fruto sim da presença da cepa P1 (amazônica), que é muito mais rápida no seu contágio, de quatro a seis vezes”, prosseguiu o secretário.

Esses fatores causaram um grande crescimento nas internações e consequente lotação dos leitos de UTI e enfermaria em todo Paraná desde janeiro. Nesta segunda-feira, 1.071 pessoas aguardavam atendimento pela Covid-19 nos hospitais do estado.

Com essa lotação em todas as regiões do estado, a mortalidade pela Covid-19 também tem crescido no Paraná desde o início do ano, até pela maior velocidade na evolução da cepa amazônica no organismo dos pacientes.

“É um momento muito duro porque onde nós tínhamos 25% de mortalidade em uma UTI pela cepa do ano passado, esse número aumentou 40%, mas pode chegar até 50%”, pontuou Beto Preto.

Sem espaço de leitos de UTI e enfermaria, os pacientes acabam sendo atendidos em UPAs (Unidades de Pronto Atendimento) e prontos-socorros dos municípios, ambos locais que não contam com toda a equiparação dos hospitais com espaços exclusivos para a Covid-19.

“Esses pacientes estão assistidos, geralmente quando há necessidade de assistência ventilatória eles também tem acesso, mas é claro que dentro de uma UTI existe um outro manejo com esse paciente, então é importante que eles sejam transferidos”, finalizou o secretário.

Somente nas últimas 24 horas, o Paraná registrou novos 2.019 casos e 19 mortes pela Covid-19, com 4.446 pessoas internadas pela doença em todo estado.

LEIA MAIS: Hospital Marcelino Champagnat fecha pronto-atendimento em Curitiba

Previous ArticleNext Article