Política
Compartilhar

Cida Borghetti propõe 1% de reajuste e servidores rebatem

Sob os gritos de "vergonha" e "isonomia" de servidores que lotavam as galerias, foi lida, na tarde desta segunda-feira, ..

Andreza Rossini - 25 de junho de 2018, 13:51

cida_borghetti
cida_borghetti

Sob os gritos de "vergonha" e "isonomia" de servidores que lotavam as galerias, foi lida, na tarde desta segunda-feira, a mensagem da governadora Cida Borghetti (PP) com o projeto de Lei que estabelece o reajuste de 1% aos servidores públicos estaduais vinculados ao Poder Executivo. O projeto segue para as comissões da casa, em regime de urgência e deverá ser votado, em primeira discussão, já na próxima sessão, na tarde de terça-feira. A proposta prevê que o reajuste seja retroativo a 1º de junho.

A governadora Cida Borghetti determinou o descongelamento da data-base dos 310 mil servidores do Poder Executivo - entre ativos, aposentados e pensionistas em reunião realizada na manhã desta segunda, com secretários do governo e representantes dos servidores. O projeto de lei propondo o reajuste de 1% aos funcionários do Estado foi encaminhado à Assembleia. A medida não se aplica a cargos em comissão e funções gratificadas. Os servidores não concordam com a proposta e pedem a reposição da inflação (2,76%), índice idêntico ao oferecido a outras categorias do funcionalismo, como os servidores do Legislativo e do Judiciário.

Presidente da APP Sindicato, Hermes Leão, que participou da reunião dos servidores com a governadora na manhã desta segunda, relatou que a governadora se retirou da reunião após apresentar o possível reajuste. "Ela afirmou que tinha agenda em Fazenda Rio Grande e nos deixou conversando com os secretários. Acreditamos que seria importante que a governadora voltasse para o debate", afirmou. "De acordo com nossos estudos é possível um reajuste de 2,76%, os números apresentados pela Fazenda não batem com nossos", apontou.

Um grupo de lideranças dos servidores estaduais está reunido no Palácio e uma vigília é realizada na Praça Nossa Senhora da Salete, em frente ao Palácio e a Assembleia Legislativa, há três semanas. "Estamos orientando nossos servidores a reforçar o movimento", disse Hermes.

Os servidores querem evitar que os deputados votem outros cinco projetos de reajustes salariais que estão na Casa, até que seja encaminhado o projeto da categoria.

Reajuste

Os servidores estão sem receber reajustes em 2017 e 2018. O governador Beto Richa (PSDB) suspendeu a data-base dos funcionários até 2019, antes de deixar o governo para disputar as eleições ao senado.

A reposição salarial foi prometida por Richa para acabar com a greve dos servidores em abril de 2015, quando ocorreu a ocupação da Assembleia Legislativa e o confronto entre manifestantes e a polícia.

Na Assembleia

A proposta da governadora já repercutiu na Assembleia Legislativa. o deputado estadual Professor Lemos (PT) lembra que tramita na Casa projeto de reajuste de 2,76% para os servidores do Legislativo, Tribunal de Justiça, Tribunal de Contas, Ministério Público e Defensoria Pública. Assim, os servidores do Executivo reivindicam o mesmo índice. "O 1% oferecido pela governadora não foi aceito pelos servidores. Os números que o secretário da Fazenda trouxe não são verdadeiros. O Estado tem condições de atender de forma equânime os servidores", disse.

O presidente da Casa, Ademar Traiano (PSDB) disse que o projeto de reajuste para o Legislativo e Judiciário tramitará normalmente a partir de terça-feira, como agendado na semana passada. "Ainda não recebemos nenhuma mensagem e o projeto que está na pauta tramitará normalmente. Se chegar alguma coisa hoje, vou fazer um apelo à Comissão de Constituição e Justiça para que analise a mensagem ainda amanhã pela manhã para a gente ternar incluir na pauta da sessão da tarde", contou.