Conselho abre nova investigação contra Deltan e dá prazo para Aras fornecer informações

Mônica Bergamo - Folhapress

deltan lava jato força-tarefa julgamento cnmp

O CNMP (Conselho Nacional do Ministério Público), que fiscaliza a atuação de procuradores no Brasil, decidiu abrir um procedimento para apurar denúncias feitas pela OAB contra procuradores da força-tarefa da Operação Lava Jato em Curitiba -entre eles, Deltan Dallagnol, que coordena os trabalhos.

O conselheiro Otavio Luiz Rodrigues Jr. deu prazo de 15 dias para que o procurador-geral da República, Augusto Aras, forneça as informações “que entender cabíveis”, bem como “cópias de documentos” sobre a diligência feita pela subprocuradora Araújo em Curitiba. A visita dela causou uma rebelião entre os procuradores, que se negaram a fornecer informações sem o que eles entendem ser justificativas cabíveis.

A OAB pediu também investigações sobre a cooperação da força-tarefa com autoridades do FBI “sem utilização dos canais legais competentes”, a suposta supressão de nomes de autoridades com prerrogativa de foro dos processos para mantê-los em Curitiba, e a suposta utilização de equipamentos estrangeiros de gravação eletrônica “de diálogos e outras comunicações pessoais”.

O conselheiro abriu prazo de 15 dias para que Deltan possa se manifestar.

Previous ArticleNext Article
[post_explorer post_id="707722" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]