? Conselho de ética discute quebra de decoro de Cunha e Senado discute impeachment de Dilma

Andreza Rossini


Dois julgamentos políticos importantes ocorrem no legislativo na tarde desta terça-feira (14). O Conselho de Ética da Câmara dos Deputados discute a quebra de decoro parlamentar o presidente afastado da Casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), acusado de manter contas no exterior com dinheiro de propina e mentir em em Comissão de Inquérito Parlamentar (CPI). No Senado, a comissão do impeachment ouve as testemunhas de defesa no caso que julga os supostos crimes cometidos pela presidente afastada, Dilma Rousseff.

Acompanhe ao vivo os julgamentos: 

Conselho de Ética

Com a presença de 21 parlamentares, começou nesta tarde reunião do Conselho de Ética da Câmara que deve votar nesta terça-feira (14) o parecer do deputado Marcos Rogério (DEM-RO) pela cassação do presidente afastado da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ) por quebra de decoro parlamentar. A maior expectativa com o desfecho do caso, que já se arrasta há oito meses, é a presença da deputada Tia Eron (PRB-BA) na sala de sessão.

Tia Eron, que substituiu no conselho o primeiro relator do caso, Fausto Pinato (PRB-SP), ainda não se manifestou publicamente e evitou falar com jornalistas antes do início da sessão. A parlamentar pode decidir o futuro do representado caso permaneça na reunião.

Pela contabilidade do colegiado, Cunha tem dez  votos a favor e nove contra. Eron pode engrossar o apoio ao peemedebista ou empatar o placar, passando para o presidente do conselho, José Carlos Araújo (PR-BA), favorável ao afastamento, a decisão sobre o placar final.

Comissão do Impeachment

A comissão especial do Senado ouve nesta terça-feira (14) as primeiras testemunhas de defesa da presidente afastada Dilma Rousseff no processo de impeachment. São ouvidos o ex-secretário de Política e Investimento da Casa Civil, Gilson Bittencourt, e o secretário de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, André Nassar.

A defesa de Dilma tem direito de ouvir até 40 testemunhas nesta fase do processo. Devido a isso, o presidente da comissão, senador Raimundo Lira (PMDB-PB), optou em aumentar em uma semana o prazo para oitiva das testemunhas.

Documentos do impeachment vão passar por perícia de técnicos do Senado

Previous ArticleNext Article