Política
Compartilhar

Conselho Nacional do MP adia julgamento de procurador por postagens em Facebook

O Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) suspendeu o julgamento que pode punir o procurador Carlos Fernando dos ..

BandNews FM Curitiba - 17 de maio de 2018, 15:26

SÃO PAULO, SP, 25.02.2016: EVENTO-SP - Ministério Público Federal comemora nesta quinta-feira (25), a superação da meta de 1,5 milhão de assinaturas para a campanha 10 Medidas contra a Corrupção. O evento, que acontece na sede do MPF em São Paulo, e conta com a presença dos procuradores da República Deltan Dallagnol e Carlos Fernando dos Santos Lima, integrantes da Força Tarefa da Lava Jato em Curitiba, e do subprocurador-geral da República Nicolao Dino, coordenador da Câmara de Combate à Corrupção do MPF. (Foto: Zanone Fraissat/Folhapress)
SÃO PAULO, SP, 25.02.2016: EVENTO-SP - Ministério Público Federal comemora nesta quinta-feira (25), a superação da meta de 1,5 milhão de assinaturas para a campanha 10 Medidas contra a Corrupção. O evento, que acontece na sede do MPF em São Paulo, e conta com a presença dos procuradores da República Deltan Dallagnol e Carlos Fernando dos Santos Lima, integrantes da Força Tarefa da Lava Jato em Curitiba, e do subprocurador-geral da República Nicolao Dino, coordenador da Câmara de Combate à Corrupção do MPF. (Foto: Zanone Fraissat/Folhapress)

O Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) suspendeu o julgamento que pode punir o procurador Carlos Fernando dos Santos Lima, por postagens em redes sociais. Ele faz parte da equipe da Lava Jato. A avaliação dos conselheiros estava marcada para a última terça (16), mas foi adiada para o dia 29 de maio.

No julgamento, os conselheiros vão decidir se anexam ao processo outras postagens feitas pelo procurador e se vão abrir o Processo Administrativo Disciplinar (PAD). A investigação foi aberta depois que a defesa de Lula acionou a Corregedoria do CNMP por causa de uma postagem do procurador feita na internet, em que manifestava opiniões sobre o ex-presidente. No entanto, a reclamação disciplinar foi arquivada em janeiro.

Na época, um documento com recomendações sobre a postura do procurador nas redes sociais foi emitido. No texto, a corregedoria pediu que ele deixasse “de emitir juízos de valor, por meio das redes sociais e na esfera privada, em relação a políticos, partidos políticos e pessoas investigadas e/ou acusadas na força-tarefa”.

Na sessão desta terça (16), o Conselho iria avaliar se outras postagens feitas por Lima devem ser analisadas. Entre eles, um post em que faz críticas ao presidente Michel Temer, outra postagem, em que fala sobre o Supremo Tribunal Federal (STF) e também um artigo de opinião escrito para um jornal em março deste ano. O caso vai ser avaliado novamente no dia 29 de maio.