Construtora investigada na Lava Jato ganha licitação milionária para pavimentação de rodovia no Paraná

Andreza Rossini


A Construtora Triunfo, investigada na Operação Lava Jato, venceu a licitação do Departamento de Estradas e Rodagem (DER) para a pavimentação da PR-364 entre o perímetro urbano de São Mateus do Sul e a interseção com a BR-153, em Irati. O trecho de 49 quilômetros passa também pelo município de Rebouças.

O resultado final da licitação foi publicado pelo DER no Diário Oficial da União desta sexta-feira (4). O valor para a execução do obras será de R$ 108,9 milhões. O DER também é investigado na operação.

Segundo o órgão, quinze interessados, entre empresas e consórcios, disputavam a licitação. As obras serão executadas com recursos do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID). O preço referencial da obra, orçado pelo DER, era de R$ 159 milhões.

A proposta da Triunfo representa valor 31,5% menor do que a expectativa de custo. A empresa atendeu todos os requisitos do edital, segundo o DER. A partir de hoje começa a contar o prazo legal de cinco dias úteis para os concorrentes apresentares eventuais recursos administrativos.

Esgotado o prazo, a licitação é homologada pelo DER e o processo segue os trâmites para assinatura do contrato. A previsão é de que os trabalhos sejam concluídos dentro de dois anos após a emissão da ordem de serviço.

Esperado há mais de 50 anos, o asfaltamento vai beneficiar cerca de 112 mil habitantes das três cidades.

Detalhes da obra

O projeto prevê a restauração de três quilômetros de rodovia já pavimentada, com alargamento dos acostamentos, implantação de calçadas e ciclofaixas na área urbana de São Mateus do Sul.

No trecho ainda não asfaltado o traçado existente será mantido com implantação de rodovia em pista simples com acostamentos. Haverá uma variante somente nos 1,2 mil metros finais do trecho, na chegada de Irati, para desviar o bairro Riozinho e retirar o trânsito de perto das residências.

Também está prevista a construção de uma nova ponte sobre o Rio Turvo, com 14 metros de extensão. Em Irati, uma trincheira fará a ligação da PR-364 com a BR-153.

Triunfo na Lava Jato

De acordo com a denúncia do Ministério Público Federal (MPF) contra a construtora, itens da proposta comercial da concessionária apresentavam sobrepreço, havendo ainda a existência de inúmeras despesas simuladas com empresas de fachada; essas despesas simuladas impactam diretamente a Taxa Interna de Retorno (TIR).

A mesma acusação apontou indícios de que o argumento de reequilíbrio econômico-financeiro dos contratos é usado como subterfúgio para obtenção de aditivos abusivos que têm como pano de fundo o pagamento de propinas milionárias a agentes públicos e políticos.

A investigação também indica que, mesmo após a prisão, em fevereiro deste ano, do principal gestor da concessionária Econorte (controlada pela Triunfo), o atual administrador da empresa continuou atuando para dificultar o trabalho das autoridades, chegando a encomendar pareceres jurídicos com conclusões pré-determinadas, e negociando novos aditivos contratuais com o Departamento de Estradas de Rodagem do Paraná (DER/PR), mesmo diante de todas as ilegalidades já comprovadas nestes procedimentos.

A 55ª fase da operação Lava Jato foi deflagrada no dia 26 de setembro para investigar o pagamento sistemático de propinas por parte de concessionárias de pedágio do Paraná desde 1999.

Segundo o MPF, a Triunfo ainda não apresentou defesa. A concessionária nega irregularidades.

 

Previous ArticleNext Article