Política
Compartilhar

Criação de bancada feminina é aprovada na CCJ da ALEP

A criação da bancada feminina na ALEP (Assembleia Legislativa do Paraná) foi aprovada na CCJ da Casa nesta terça-feira (3).

Redação - 03 de maio de 2022, 20:31

Orlando Kissner/ALEP
Orlando Kissner/ALEP

A criação da bancada feminina na ALEP (Assembleia Legislativa do Paraná) foi aprovada na CCJ da Casa nesta terça-feira (3).

A resolução 5/2022 busca fomentar a participação feminina na Casa, com a presença de mulheres na Mesa Diretora da ALEP e uma bancada composta por todas as parlamentares da Assembleia.

Atualmente a composição da Mesa Diretora leva em conta apenas a representação proporcional partidária, o que dificulta a presença de mulheres nesse espaço.

Na CCJ, o único voto contrário foi do deputado Homero Marchese (Republicanos), que afirmou que a proposta é inconstitucional.

Marchese inclusive se envolveu em uma polêmica ao afirmar em sessão da CCJ na última semana que se as mulheres "são minoria na Assembleia é porque as mulheres quiseram isso. Então, é um projeto que vai estabelecer um benefício para uma minoria que foi escolhida por uma maioria".

A fala de Marchese foi rechaçada pela deputada Luciana Rafagnin (PT), que acusou o colega de "violência política". 

"A não permissão de termos aqui a criação da bancada feminina, ou seja, o não entender o porquê da criação da bancada feminina na Assembleia porque nós somos minorias, isso também é uma violência contra as mulheres", declarou Rafagnin.

A parlamentar é uma das autoras do projeto junto das colegas Cristina Silvestri (PSDB), Mabel Canto (PSDB), Cantora Mara Lima (Republicanos), Luciana Rafagnin (PT), Maria Victoria (PP) e do deputado Luiz Claudio Romanelli (PSD).

Com a CCJ dando constitucionalidade ao projeto, cabe agora a diretoria da ALEP colocar a proposta em votação no plenário. Após duas votações sem alteração no texto base, o projeto irá seguir para sanção do governador do Paraná.

LEIA MAIS: Adolescente leva revólver para curso e é apreendido pela GM